Mooca pet friendly: veja os lugares no bairro para ir com seu cachorro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mooca pet friendly: veja os lugares no bairro para ir com seu cachorro

Cris Berger

15 de janeiro de 2022 | 05h00

Começamos o ano de 2022 com a Mooca no GPS, pois temos a missão de produzir um livro do bairro paulistano repleto de tradições italianas. Vamos mostrar os antigos galpões revitalizados, contar o motivo que fazem seus moradores declararem, apaixonados, “Mooca é Mooca” e mostrar ótimas opções de locais pet friendly.

Coloquei a Ella (minha sócia pet no blog e Guia Pet Friendly) no carro e, mesmo com chuva constante neste início de 2022 fui em busca de locais para curtirmos com nossos cães. Afinal, o briefing da construtora Alfa Realty (patrocinadora do livro) está mostrar aos futuros moradores onde eles podem ir com os seus pets.  Amo quando pensam em nós.

Abrimos o roteiro pet friendly com uma seleção de lugares na Rua Borges Figueiredo que valem ser visitados por quem mora lá, virá a morar ou vai apenas visitá-la. A via, que fica na entrada do bairro, está a um passo de se tornar rota gastronômica. Do lado esquerdo fica a padaria Di Cunto, um clássico da Mooca que foi fundada em 1896. Na frente dela, lado a lado, estão três locais que podemos ir com nossos cães: Hospedaria, Cadillac BQQ e Sí Señor.

Ella na Mooca. Foto: Cris Berger

Di Cunto: desde 1896

O nome Di Cunto se refere a uma das muitas famílias que migraram para o Brasil e jogaram âncora no bairro da Mooca, em São Paulo. A padaria que hoje ocupa dois salões enormes, começou em um sobradinho. No andar de cima morava a família do seu Donato e, embaixo, os pães eram assados. O nome Di Cunto sobreviveu a crises, concorrência e demais intempéries de quem se mantém aberto há mais de um século e tem uma legião de fãs. O carro-chefe são os panetones e a vedete dos doces é a torta Regina. Não saia sem prová-los.

Torta Regina da Di Conto. Foto: Cris Berger

Quem vai acompanhado do pet deve entrar pelo portão da praça do chafariz que fica trancado, portanto, vá até a entrada principal, avise que está com um cão e eles o abrirão para você. Neste espaço há mesas espalhadas por um pátio enorme, ao redor da fonte. No dia em que fomos estava caindo uma chuva fininha e a cobertura do ombrelone foi suficiente, mas lembre-se de levar um colchonete, assim o chão molhado não será um problema. 

Ella na Di Cunto. Foto: Cris Berger.

Hospedaria, comida de vó

Dica número 1: chegue cedo, até às 12h30 na Hospedaria. Aos sábados e domingos, a casa lota e a fila de espera toma conta de toda a calçada. A área pet fica logo na entrada e, quando não está ocupada com clientes bem acompanhados de seus cães, acaba sendo o ponto de espera de quem deseja sentar no salão interno. Como são apenas quatro lugares, vale chegar antes do movimento ficar intenso.

Também é bom seu cachorro ser calminho como a Ella ou chegar bem cansado, pois não há tanto espaço e várias pessoas circulam pela área. Uma vez sentado nas banquetas altas, acomode seu pet embaixo do balcão. Leve um colchonete, para ele ficar bem acomodado e delimitar sua área de circulação.  

Ella na Hospedaria. Foto: Cris Berger.

No cardápio, há entradinhas que nos deixam com água na boca – sugiro o pão com molho de tomate. Ele chega quente, dentro de um saquinho de papel, junto de uma panelinha com molho de tomate caseiro. O que você deve fazer? Cortar o pão com a mão e molhar na panelinha. É divino.

Então, namore o cardápio com calma. Depois de muito pensar, optei pelo arroz da baixada com frutos do mar, batata-palha no topo e salada de agrião no meio, que dá um toque amargo. É bem servido e tem sabor de comida de vó. Outra boa opção é o estrogonofe de angus e cogumelos com arroz branco e batata frita cortada fininha.

Para a sobremesa, minha sugestão fica por conta do pudim do brigadeiro com bolacha de água e sal salpicada em cima. Quem assina os pratos é o mooquense Fellipe Zanuto, que abriu a casa em 2016. 

 

Arroz da baixada da Hospedaria. Foto: Cris Berger

Sí Señor, o espaço surpreende

Confesso: entrei porque aceita pets. Não costumo frequentar franquias com dezenas de endereços, tenho mais simpatia por restaurantes de chefs e cozinheiros únicos, mas devo admitir que minha experiência no Sí Señor da Mooca foi ótima. O espaço interno é gigante e a área para sentarmos com os pets é bem generosa.

É preciso atravessar o salão principal, que fica em um antigo galpão, e ir até as mesas da varanda, devidamente protegidas por um toldo. Se estiver chovendo será uma pena, porque há uma área externa com bancos e grafites coloridos, no melhor estilo instagramável, para fotografar o seu pet. 

Ella no Si Señor. Foto: Cris Berger

Há vários combos e opções da gastronomia mexicana e texana no cardápio, chamada de tex-mex. Pedi tostaditas com sour cream, camarão, guacamole e pimenta e virei freguesa. O atendimento também mereceu minha atenção, a Ella foi bem aceita. 

Tostaditas de camarão do Si Señor. Foto: Cris Berger

Cadillac BBQ: exposição a céu aberto

Chegamos no Cadillac no fim de tarde, quase sem luz e uma chuva fininha constante. Ficamos felizes em encontrar no pátio interno uma parte coberta. A chuva poderia até apertar que não teríamos problemas. Não me importei com a garoa e fui fazer fotos da Ella no cenário que nos remete ao velho oeste com grafites lindíssimos. Portanto, vai ser legal você ir com tempo bom e vontade de fotografar. O espaço é enorme. 

Ella no Cadillac BBQ. Foto: Cris Berger

Para comer, a pedida são os hambúrgueres. O de brisket, com carne do peito de boi desfiada, é o mais pedido. Para quem não come carne, há os rolls de mac and cheese com molho vermelho, que estavam deliciosos. 

Bureger de brisket do Cadillac BBQ. Foto: Cris Berger

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.