Diplomacia canina: os cães dos estadistas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diplomacia canina: os cães dos estadistas

Cris Berger

16 de novembro de 2020 | 03h00

Na semana passada, o mundo falou do novo presidente dos Estados Unidos e de quem mais? Quem lembra? Seus cachorros! Sim, o tema foi: a Casa Branca voltará a ter pets. Trump não tinha. Fico tão feliz quando vejo os cachorros ganharem destaque nos principais veículos de comunicação.

Claro que eu precisava falar sobre a dupla de pastores alemães Champ e Major – este último adotado de um abrigo em 2018, por Joe Biden. Lembrando que antes deles, a White House teve como moradores os cães de água portuguesa Bo e Sunny de Obama.

Joe Biden e o cão Major. Foto Delaware Humane Association/AP

Basta dar um Google para descobrir outros estadistas com seus cães em aparições públicas. Na Inglaterra, os 30 corgis que a rainha Elizabeth II teve ao longo de 70 anos são quase tão tradicionais quanto a corte – e inspiraram a animação Corgi: Top Dog. Ainda pelo Velho Mundo, o fofíssimo boston terrier Lennu do presidente da Finlândia Sauli Niinisto rouba a cena e parece estar sorrindo.

Rainha Elizabeth e seus corgis. Foto Reuters

Há vezes que ele é fotografado no colo, outras que passeia com seu bicho de pelúcia na boca. Lennu parece à vontade, como se estar com o presidente em uma cerimônia oficial fizesse parte da sua rotina (e, de fato, faz). Sauli reage da mesma forma. Justo! Apoio e aplaudo de pé.

O presidente da Finlândia com Lennu. Foto Reuters

A Coreia do Sul tem um presidente ativista em prol da causa animal. Moon Jae-In possui três animais adotados: o pungsan Maru, o gato SRD Jjing-jung e o vira-latinha Tori, resgatado de uma fazenda de carne canina.

No Brasil, a família Bolsonaro adotou um cão que apareceu no Palácio da Alvorada. Semanas depois, o Zeus, chamado de Augusto pela família do presidente, foi identificado pelo seu primeiro tutor e voltou para casa.

Claro que citei esses adoráveis seres de quatro patas ao lado de importantes nomes da política mundial para lembrar o quanto faz bem a presença de um cachorro na vida da gente. Vai ver por isso no segundo andar do nosso coworking, o Spaces, o nome “Ella” é o mais escutado. De manhã até a tarde, são incontáveis Ella, Ella, Ella…. Todos querem um momento com a cachorrinha que tem como campanha mostrar que é possível viver o lado de um pet quando ele tem um comportamento diplomático. “Ella, quem sabe, ainda vamos visitar os novos moradores da Casa Branca?”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: