Cuidados para o pet viver mais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cuidados para o pet viver mais

Cris Berger

30 de novembro de 2020 | 03h00

A expectativa de vida dos humanos aumentou. Graças à medicina, vivemos 40 anos a mais em relação a quem nascia nos anos 1900. E os pets? Também passaram a viver mais? Essa foi a pergunta que me fiz, enquanto marcava os exames de rotina da Ella (minha sócia pet na coluna). Se os check-ups regulares prolongarem os anos de vida da minha cachorrinha, estou no caminho certo para tê-la comigo por muitos anos: a cada seis meses a levo para consultas e exames.

Ella fazendo seu check-up. Foto Cris Berger/Guia Pet Friendly

Afinal, se faço os meus, porque não faria os dela? Claro, a gente torce para não ter nada, mas caso algum exame não esteja dentro do padrão, o melhor é descobrir logo e começar o tratamento.
“As descobertas das doenças precocemente levam à longevidade. Animais com problemas de coração morriam aos 7 anos. Hoje em dia, com diagnóstico precoce feito por exames de imagem, conseguimos medicar e, muitas vezes, estes cardiopatas vivem até 14 anos. O tutor que tem cuidados preventivos com o seu pet faz com que ele viva plenamente entre 12 a 16 anos”, diz a médica veterinária Carla Beri, fundadora dos hospitais Pet Care.

Em 1941, a penicilina foi descoberta e a medicina ganhou os antibióticos que ajudaram a salvar vidas. Cães e gatos têm a vacina V8 que previne doenças como cinomose, hepatite e leptospirose. A indicação é que ela seja repetida uma vez por ano. A antirrábica eu cumpro à risca. Já para a V8, faço o exame de titulação para saber se preciso repetir a vacina ao completar 12 meses ou posso esperar e não sobrecarregar o organismo da Ella.

Já estamos mais atentos a um espirro, tosse, vômito, diarreia ou prostração. Lá pelas tantas, o convívio é tão próximo que fica fácil entendê-los.

Se antigamente os cachorros eram alimentados com restos de comida, hoje os tutores estão conscientes que o alimento humano faz mal para o pet e investem em rações. No mercado há opções premium, super premium, específicas para cada raça, medicamentosas e também a alimentação natural, que ganha cada vez mais adeptos.

A prevenção é o melhor caminho. Quando o raio X mostrou que a Ella tinha uma leve displasia coxofemoral traseira, tirei a parte de baixo da minha cama para evitar que ela pulasse e gerasse atrito. Toda vez que descemos do carro, pego ela no colo. Assim, retardo um futuro avanço da artrite.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: