Conheça Mogi Mirim com o seu cachorro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conheça Mogi Mirim com o seu cachorro

Cris Berger

02 de julho de 2022 | 11h57

Já ouviu a frase de Sócrates: “sei que nada sei?”. Ela pode ser adaptá-la para a esfera das viagens, afinal, quanto mais viajamos e conhecemos novos lugares, mais nos damos conta do quanto não conhecemos nada e como há destinos para  desbravar neste planeta fabuloso. Quero dividir com vocês minhas descobertas em uma cidade que não é famosa pelo turismo, mas poderia ser, pois tem um povo receptivo e amável, comidas deliciosas, atrações curiosas e o melhor: gosta dos pets! Não é o máximo? Inclusive, Mogi Mirim – que era habitada pelos índios caiapós e fundada pelos Bandeirantes em 1720 – foi a primeira cidade no Estado paulista a proibir fogos com estampido. Palmas para ela. 

Conheça Mogi Mirim com o seu cachorro

Que tal fazer um programinha diferente, pegar o carro, dirigir duas horas (saindo de São Paulo capital) e conhecê-la? Confere meu passo a passo com a Ella (minha sócia pet e filha). É possível fazer um bate-volta – em um programa de um dia – mas sinceramente, recomendo não ter pressa e organizar um final de semana por lá. Neste caso, hospede-se no Portal Hotel Mogi Mirim e peça pelo quarto com essa banheira escândalo. 

Ella no Portal Hotel Mogi Mirim . Foto: Cris Berger.

Lá vem o trem

Logo ao chegar, você vai observar que há poucos prédios. Sim, as casas predominam e, com isso, o horizonte fica mais largo e bonito. As ruas são tranquilas e arborizadas, há muitas praças e até a simulação de uma plataforma de trem (Rua Júlio Salvato, ao lado da linha de trem). O mais curioso é que esta mini plataforma foi construída, com autorização da prefeitura, pela avó de duas crianças que moram no bairro Jardim Brasília e queria que seus netos pudessem ter a experiência de ver a locomotiva passar. Fofo, muito fofo e ótimo para tirar fotos com os pets. Lembrando que no dia do meu aniversário (27 de agosto), no ano de 1875, Dom Pedro II inaugurou a estação de trem da Mogiana, em Mogi, que faz parte da importante Ferrovia Centro-Atlântica, responsável por transportar grãos entre Mato Grosso, Minas Gerais e a cidade de Santos em São Paulo.  

Ella na plataforma de trem. Foto: Cris Berger

Almoço No Villa Mogi

Tomara que você vá em um dia de sol para poder curtir o jardim belíssimo do restaurante Villa Mogi em Cachoeira de Cima, que fica afastado do centro da cidade e tem uma atmosfera ainda mais calma. Até chegar nele, você vai cruzar por diversos sítios onde o verde domina lindamente a paisagem. E, de repente, seus olhos encontram o mar de guarda-sóis coloridos logo abaixo das copas das árvores, balançando levemente com o soprar do vento e vê as mesas espalhadas pelo gramado. O espaço é grande e generoso.

Ella no restaurante Villa Mogi. Foto: Cris Berger

Claro que seu pet ficará animado com tantos cheirinhos, portanto, dê uma boa volta com ele, o deixe através do olfato conhecer este novo lugar incrustado na natureza. No cardápio, o Pintado é a atração principal – “que peixe saboroso e bem preparado”. Sugiro harmonizar com um vinho e deixar as horas passarem lentamente.

Pintado do restaurante Villa Mogi. Foto: Cris Berger

Antes de ir embora, vá até o espaço das redes, escolha uma e deite com o seu pet. Claro, faça um vídeo do vai e vem preguiçoso e relaxado das redes. Curta o momento. No caso de chuva, há uma varanda coberta onde os pets são bem-vindos. É uma carta na manga, mas definitivamente, o jardim é o melhor local para sentar. 

Espaço das redes do restaurante Villa Mogi. Foto: Cris Berger

Programa para os pets

O Complexo Lavapés (Av. Luiz Gonzaga de Amoedo Campos), que todos chamam de Zerão, é o principal parque da cidade. Fica ao lado de um córrego, tem quadras esportivas, espaço para piqueniques e o Parcão, que fica em uma área com sombra, cercada e com aparelhos de agility. 

Ella no Parcão. Foto: Cris Berger

Conheça a Fátima e os gatos Fred e Greg

Sabemos que o melhor em uma viagem são as pessoas incríveis que conhecemos e, por isso, vale a pena bater um papinho com a artesã Fátima, dona há 25 anos da floricultura Laços e Flores. Amante dos animais, montou sua casa de flores em um imóvel centenário, vizinho da ex-residência do poeta Guilherme de Almeida. Do outro lado da rua está a Praça da Bandeira, que aos sábados tem feirinha de artesanato e gastronomia de boteco, além de apresentações de artistas locais. 

Ella na Laços e Flores. Foto: Cris Berger

Passeio pela história

Para conhecer a história de Mogi, faça um tour a pé pelas praças do centro da cidade: Espaço 250 anos Valter Abrucez, Rui Barbosa, São José, Floriano Peixoto (o Jardim Velho), Duque de Caxias e da Bandeira. Também confira os principais pontos turísticos: Obelisco do primeiro centenário de Mogi Mirim, o Relógio do Sol, a Igreja Matriz de São José, Monumento dos Pracinhas e o chafariz “O menino do Guarda-chuva”.

Cris e Ella na Igreja Matriz de São José. Foto: arquivo pessoal.

Better Cities for Pets

Eu escrevi aqui sobre o Better Cities for Pets (traduzido para o português: Cidade melhores para os animais) e citei que Mogi Mirim estava nos planos da Mars Petcare (quem o patrocina) para ser uma cidade piloto do projeto mundial no Brasil. Sim, eles estão em mais de 40 cidades pelo mundo. O que isso quer dizer? Ela receberá treinamento para receber bem os pets nos estabelecimentos comerciais. O próximo webinar, dado pela Universidade Pet Friendly, vai acontecer no dia 7 de julho às 14h no ACIMM e quem quiser participar online, pode se inscrever pelo link

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.