Falta vigor no roteiro de Drácula da TV
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Falta vigor no roteiro de Drácula da TV

João Fernando

22 de março de 2014 | 00h13

João Fernando

A produção de Drácula é boa, não há como negar. Estão lá os cenários deslumbrantes, figurinos caprichados, rostos conhecidos do elenco e até boa direção de fotografia e de arte de qualidade, mas falta algo para a história ficar empolgante. Por mais que tenham criado uma história que vai além da obra de Bram Stoker, o autor irlandês que ajudou a deixar o vampiro icônico, os produtores um personagem batido na ficção.

O primeiro episódio da série, exibida pelo Universal Channel todas as quintas, tem as explicações necessárias para a trama, mostra como Drácula saiu e um castigo e voltou à ativa. O ritmo até que não foi tão lento, pois o capítulo desenrola trama – não deixa de fora uns pescoços mordidos e rastros de sangue que não poderiam faltar – com ganho para o segundo. Entretanto, não fisga a atenção do telespectador.

Talvez o excesso de carão do protagonista ajude a desanimar quem está assistindo em casa. Os olhares clichês de vilão, as vozes graves do personagem e de quem contracena com ele dão um tom exagerado e previsível. Mesmo em um tempo quem os vampiros têm outras habilidades e poderes, como os da saga Crepúsculo e The Vampire Diaires, o Drácula da série poderia se garantir apenas pela narrativa. Para dar um gás, a série deveria ter histórias interessantes entre seus personagens coadjuvantes, que, por enquanto, não seguram a onda.

 

Tudo o que sabemos sobre:

DráculaSérie de TVUniversal Channel

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: