Rushdie e o fatwa

Estadão

06 de agosto de 2010 | 15h50

Fernando Henrique Cardoso (dir.) e Salman Rushdie, com intermediação de Lili Schwarcz. Foto: Tasso Marcelo/AE

Fernando Henrique Cardoso (dir.) e Salman Rushdie, com intermediação de Lili Schwarcz. Foto: Tasso Marcelo/AE

Em entrevista coletiva, o escritor indiano naturalizado inglês Salman Rushdie contou que já iniciou o próximo romance e que vai tratar de um assunto que lhe é muito caro: a fatwa, perseguição imposta pelo governo dos aiatolás, líderes religiosos do Irã. Nos anos 80, por conta de seu livro Versos Satânicos, Rushdie foi condenado pelo então aiatolá Khomeini, que abominou o teor da obra, considerada contrário ao islamismo. Ele precisou se refugiar em Londres e, durante muitos anos, vivia cercado de guarda-costas. Agora, ele volta ao assunto mas disse ter escrito apenas entre 60 e 70 páginas. Adiantou apenas que fez muita pesquisa sobre o assunto. O livro deve ficar pronto no ano que vem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: