Pré-pós-livro

Estadão

01 de agosto de 2010 | 21h58

Que mudanças o senhor observa em nossa noção de narrativa?

(…) Atualmente, os mais jovens criaram o hábito de ler pequenos blocos de texto e em grande velocidade, seja em Twitter, blogs, ou ainda na troca de mensagens recebidas em celulares e portáteis. Assim, a leitura de um livro tornou-se um ato pouco usual. Por conta disso, é possível acreditar que logo os livros serão adaptados a esse tipo de escrita, ou seja, uma prosa breve, segmentada. Isso vai influenciar decisivamente a forma de se apresentar personagens, descrever cenários, criar atmosferas, utilizar recursos narrativos. Tudo ficará achatado. É uma possibilidade. (…)

***

Trecho da entrevista que o Bira fez com o pesquisador americano Robert Darnton, convidado da Flip. Saiu no Sabático de ontem  (a íntegra da conversa você pode ler aqui). Uma das duas mesas das quais ele participa será com o CEO do Penguin Group, John Makinson, com que falei neste mês, em entrevista publicada no Caderno 2. A conversa será nesta sexta-feira, às 10h.

Tudo o que sabemos sobre:

digitale-booksJohn MakinsonRobert Darnton

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: