Combina com o aiatolá antes…

Laura Greenhalgh

06 de agosto de 2010 | 21h38

Hoje o dia na Flip teve um acento mais político. O filósofo e crítico literário britânico Terry Eagleton já baixou em Paraty e é bem conhecido o fio da lâmina com que ele disseca a realidade política, lâmina afiada num marxismo que ele jura não ter abandonado. E quando Eagleton fala em marxismo refere-se a um método de análise, não entra em papo ideológico. Pois hoje estive com Eagleton, que falará amanhã cedo, e ele lascou o verbo contra “a moda de falar mal de Deus”, firme na polêmica que mantém com  Richard Dawkins, Sam Harris , Christopher Hitchens. Acha que esta turma não entende nada de religião e que, no fundo, é gente conservadora. 

Pois bem, na apresentação de Salman Rushdie que acaba de terminar, eis que Eagleton já foi chamado pra briga. Rushdie, que foi acusado de servir à direita bushiana por Eagleton, desafia o inglês a dizer isso … cara a cara. Rushdie reclamou que Eagleton, além de mentir, refere-se a ele de maneira desonrosa. Amanhã vamos ver se a provocação de Rushdie já chegou aos ouvidos de Eagleton. O que sei é que Eagleton logo deixa Paraty para ir a Porto Alegre, onde tem uma conferência agendada.

Outra mesa bem política foi a da iraniana Azar Nafisi e do israelense A B Yehoshua. Com o caso Sakineh bombando, ou seja, a condenação de uma iraniana ao apedrejamento por adultério, Azar fez intervenções fortes, tirando proveito da fala torta de Lula ao oferecer abrigo para Sakineh no Brasil. Algo como: se está incomodando aí, manda  a moça para cá, companheiro Ahmadinejad. Yehoshua saiu-se com uma boa tirada: quem incomoda é o Ahmadinejad, então, o governo brasileiro precisa oferecer abrigo pra pessoa certa!!! Nafisi foi tão enfática que Moacir Scliar, mediador da mesa, já sugeriu que ela se lance candidata à presidência do Irã. Precisa combinar primeiro com os aiatolás, certo?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: