Shifty – Ou a cara na nova Inglaterra global
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Shifty – Ou a cara na nova Inglaterra global

Flavia Guerra

05 de maio de 2009 | 13h00

Prólogo a este post editado e comentado:

Como poderá ser lido no post do leito Jose, abaixo, havia erro de tradução no post antigo, que já foi corrigido.
Aceito de muito bom grado a observação sobre saudar a Coroa. Mas ainda vejo contradição quanto ao caso dos Brazilians.
Após pequena enquete com amigos ingleses, todos concordam que Ahmed pode estar tanto falando do tratamento a Jean Charles quanto sobre o tratamento que os brasileiros em geral recebem da polícia. Concordo que seria mais direto e óbvio de fato que Ahmed estivesse falando de Jean Charles, já que é fato que a canção trata exatamente disso. Sem contar que as minorias étnicas interessadas se uniram na época do caso para protestar contra o julgamento mais que sumário sofrido pelo brasileiro e pela justificativa dada pela polícia, que alegou que o tinha confundido com um suspeito terrorista. Alguns disseram que o suspeito seria árabe, outros somali, outros paquistanês… Em futura, e desejada entrevista que realizarei com Ahmed, a pergunta não deixará de ser feita. Por ora, o texto original, ainda que esteja equivocado, será mantido.

shf

Londres

Shifty é um típico jovem inglês. Mora em uma das tantas cidadezinhas da região metropolitana de Londres. Na pacata Dudlowe, ao sul da capital inglesa, ele divide uma confortável casa com o irmão mais velho, trabalha para ajudar a pagar o aluguel e é bom filho, apesar de um tanto ausente.
Tudo estaria do gosto da Rainha não fossem alguns poréns. Shifty é filho de imigrantes paquistaneses. E isso já é suficiente para lhe garantir julgamentos pré-concebidos e apelidos carinhosos como Paki. Para agravar, Shifty é dealer e anda se envolvendo com más companhias. Dealer é como o tradicional drug dealer (traficante) é também carinhosamente chamado por seus clientes.
Os clientes de Shifty, por sua vez, são pais de família desempregados que não vivem sem ‘dar um tiro’ de cocaína no fim do dia, senhoras de classe média viciadas em crack e jovens a fim de ‘pimp their party’ (algo como enfeitar, vitaminar uma boa festinha).
Tudo vai relativamente bem até que o irmão de Shifty descobre que tipo de bico ele faz para ajudar no aluguel, seu cliente pai de família resolve roubá-lo e o Big Dealer da cidade resolve que um Paki como ele não é lá um contato muito confiável.
Tudo seria um grande drama real não fosse Shifty o personagem principal do filme que leva o mesmo nome e que vem fazendo com que o público recupere a fé no cinema britânico, como bem observou a descolada revista Dazed&Confused.
Shifty é um ótimo exemplo do cinema ‘bom, nem tão bonito, mas muito barato’ que os jovens cineastas vêm praticando no Reino Unido. Filme de estréia de Eran Creevy, Shifty rendeu uma indicação ao Bafta para o ator e cantor Riz Ahmed.

Riz Ahmed é Shifty: http://www.youtube.com/watch?v=DT75k8sUXaQ

Mais conhecido como Riz MC, Ahmed é de fato descendente de imigrantes paquistaneses e já foi chamado várias vezes de Paki. Em 2006, quando voltava do festival de Berlim, onde o filme Caminho para Guantanamo foi exibido, foi parado pela polícia alfandegária de seu próprio país. Os oficiais precisavam checar se Riz, na verdade, não se tratava de algum agente terrorista.
Curiosamente, Caminho para Guantanamo, filme de Michael Winterbottom, revela as atrocidades cometidas pelas autoridades norte-americanas na base onde ‘abrigam’ os prisioneiros acusados de atos terroristas.
Seria trágico se não fosse cômico. No longa, Riz entrou na pele do Shafiq Rasul, integrante do Tipton Three, trio de ingleses que ficou preso na base americana de Cuba nos anos 80.
Assim como seu personagem, Riz está sempre shifting. Ou seja, mudando, trocando de papel, trocando a carga que carrega de um lado para outro neste mundo (quase) sem fronteiras. Shifty, Riz MC, Riz Ahmed. Seja qual o apelido carinhoso, a arte imita a vida no roteiro do jovem inglês. Riz é formado em Filosofia, Política e Economia em Oxford e, como resultado do tratamento que teve na alfândega, criou o hilário POST 9/11 BLUES.

rs
Riz Ahmed em cena de Caminho para Guantánamo

O ‘pessoal’ não gostou muito e andou mandando ‘recolher’ a provocativa canção. Pudera. Na letra mais que ácida, Riz não poupou ninguém. Nem mesmo os brasileiros.

“Se você é moreno, é melhor você fazer a barba e ‘saudar a Coroa’ (como bem observado pelo leitor Jose, é, ao pé da letra, o significadeo de ´salute the crown´e nao ´the crow´, o corvo. Mas que pode bem ser interpretado como o respeitoso ato de bater continência). Se não eles podem fazer como os brasileiros e atirar na sua bund…” (ou seria ´como com os brasileiros´, no caso, Jean Charles?)

É… Na aldeia global da geléia geral, miséria e violência é são as mesmas em qualquer canto. Já as riquezas continuam diferentes.

Confira:

POST 9/11 BLUES

What can I do
I got the post 9-11 blues
On the telly nuthin but the post 911 news
War, iraq, suicide bombs
Stop hogging the limelight and make some room for my songs!!
Anyway its all re runs
– We need a new war Bush! Go get Iran, I heard theyre talking bout your mum!
Change the channel, watch some telly for kids, but whats this??
Hi kids welcome to fun fun fun fundamentalists [kids show theme style]
In the breaks, Nikes advertising bomb-proof-kicks
They even showing Bin Ladens cave on Cribs!!
So I picked up a respectable post 911 magazine
It told me bout the new post 911 categories –
Isreali fighters are soldiers, Irish are paramilitary
– And darkie ones are terrorsists – how simple can it be?
But not me my friends say riz is still one of us
But if I havent shaved – they wont sit with me on the bus

Everybody do the post 9-11 dance
Look scared and shake ya ass while the bombs go blast
Everybody shake your post 911 thong
So the dossier was wrong
Jack some oil drop a bomb
Sing a song sing a long
bush and blair in a tree
K-I-L-L-I-N-G-
Shave your beard if your brown and you best salute the crown
Or theyll do you like Brazillians and shoot your ass down

Post 9/11 getting around can be expensive
Cost ya 12 dead Iraqis for a litre of unleaded
And even Green Cross Codes all changed
They just teach kids to duck around low flying planes
And on the tube if you see a dude with a rucksack,
And a beard, move carriages mate – **** that!
They cancelled xmas cos of santa clauses beard and his magic
Red sac got confiscated as a suspect package
No need for Halloween 911s more scary
Osama Bin Goblin eats kids and hes hairy
Hear a knockin on the door at early dawn in the dark?
Its MI6 theyll trick or treat you to a week in belmarsh
Forget Guy fawkes hes lame
Gun powder plots dont really compare to planes
So no bonfire Halloween or christmas, theyre done
Well do it all on one day merry 911

Everybody do the post 9-11 dance
Look scared and shake ya ass while the bombs go blast
Everybody shake your post 911 thong
So the dossier was wrong
Steal some oil drop a bomb
Sing a song sing a long
bush and blair in a tree
K-I-L-L-I-N-G
Shave your beard if your brown and you best salute the crown
Or theyll do you like Brazillians and shoot your ass down

Post 911 policy might seem harsh
But its the terrorists fault we got id cards
And a congestion charge
That theyre extending far
And electronic tags on the chav childrens arms
Course we need belmarsh and **** 28 days
We should put the whole of Oldham in its own ****in cage
Move Hounslow underground so nothing could go wrong
Lutons already moving, Bradfords already gone
Were all suspects so literally, be watching your back
I farted and got arrested for a chemical attack
Dropped some litter on the street and I caused a bombscare
But told police my name was John, they thought they caught the wrong brae
But its ok
Post 9/11 I been getting paid
Playing terrorists on telly getting songs made
but will it get airplay geeza
well, if bbc dont want it Ill send it to al jazeera

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.