Pedalando
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pedalando

Flavia Guerra

30 de novembro de 2009 | 21h55

nnn
Ciclistas pedalam livres, leves e soltos pelas ruas londrinas durante a London Naked Ride: http://www.worldnakedbikeride.org/uk/

Londres

Estava eu hoje lendo a edição especial “World in 2010′ da Economist e mais uma vez Inglaterra e Brasil ocupam lugar de destaque no tabuleiro da vida econômica e política mundial. Nas páginas e páginas de análises e previsões para o mundo no ano que virá, o Brasil entra com uma página inteira sobre ‘O que vem depois de Lula’ e a Bretanha entra com várias páginas num tom ‘E agora, José’?

ggg
Anúncio vende para investidores a edição “The World in 2010′

E deu na Economist. Na verdade, não é nenhuma novidade. Mas, já que a Economist falou, eu aproveito o ensejo.
No dossiê ‘Inglaterra: Ser ou não ser ainda uma potência mundial’ uma meia página cheia de otimismo despretensioso me chamou atenção. ON YER BIKES é o nome do artigo. E nada mais é que uma doce previsão sobre a decisão do famigerado prefeito Boris Johnson de adotar o sistema de aluguel de bicicletas. Sistema este que já é sucesso em cidades como Paris, Barcelona, Berlim… Alugar uma bicicleta pública não requer prática nem agilidade. Funciona basicamente do mesmo jeito que ‘alugar’ um carrinho nos aeroportos. Bota-se uma moeda, leva-se a magrela. E devolve-se a mesma em algum outro ponto da cidade onde haja um ‘estacionamento’ oficial. Em uma cidade em que o metrô ameaça entrar em colapso todos os dias (comparações com a malha paulistana chegam a ser injustas e dispensáveis), sair pedalando é garantia de stress e minutos a menos gastos no trânsito ou nos túneis do Tube.

lll
para saber mais, acesse o London Bycicle: http://www.londonbicycle.com/

A medida vem se juntar a várias outras para transformar Londres em uma cidade mais prática e viável, capaz de hospedar com tranqüilidade eventos como as Olimpíadas 2012.

Bom, nós, brasileiros, temos alguns anos a mais, e anos luz de diferenças sociais, urbanas e históricas, para tentar transformar nossas cidades mais viáveis para hospedar a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos 2016.

Resta saber se vamos assumir o compromisso ou simplesmente sair pedalando…

PS: Quem não leu ainda o especial da Economist sobre o Brasil, não pode perder:

http://www.economist.com/members/survey_paybarrier.cfm?issue=20091114&surveyCode=UK

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: