As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No Vietnã, em se plantando, tudo dá. Arroz, cinema e amor.

Flavia Guerra

28 de dezembro de 2011 | 14h37

plantarfilmescolheramor.jpg

 

Vietnam thoughts (ou das coisas que vejo por aí e ouço por aqui):
A gente acha sempre que já viu de tudo. Tenha 18 ou 81 anos, a arrogância é algo que quase sempre nos acompanha.

Mas há sempre algo que nos surpreenda. Há sempre palavras simples que contam mais que qualquer matéria de jornal. Há sempre imagens do cotidiano que contam mais que qualquer foto premiada.

E hoje, e então, entre um take e outro do curta que ajudo a filmar aqui (The Truck, O Caminhão), um velho vietnamita meio assim fora do contexto olhava as filmagens. Até aí, nada de novo no front. Filmagens e sets são sempre atração para a população local. Mas o velho, certa hora, como quem não ouviu pergunta alguma, mas tem a resposta certa, me diz, com seu parco inglês aprendido na Guerra:
“Faça um filme de amor. E não de guerra. Sun Tzu dizia que todos gostamos de belas palavras, porém poucos as transformam em atos. A guerra passa. A vida passa. O amor fica. Eu só guerreei, e, com medo, deixei meu amor passar. Tinha mais medo do amor do que da guerra. Você sabe o que é amor? Amar, minha filha, é como cuidar do arroz no campo. É todo dia. Se você ama, cuide do seu arroz. Só amor de que você cuida é capaz de ser teu alimento. O resto são palavras, e sementes, ao vento.”

Tudo o que sabemos sobre:

Vietnã

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.