As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Kristen Stewart: “Bella não mudou, mas se tornou a versão real de si mesma.”

Flavia Guerra

15 de novembro de 2012 | 21h35

Atriz se diz feliz por ter de deixar de se importar com a personagem e, ao mesmo tempo, triste com a ideia de não voltar nunca mais a interpretá-la

bella.jpg

Flavia Guerra – Los Angeles

Depois de Robert Pattinson, foi a vez de conversar com Kristen ‘Bella’ Stewart sobre o Amanhecer – Parte 2, o fim da saga, tornar-se mãe, ou melhor, mãe-vampira, maternidade e, claro, sobre ser ‘socialmente desagradável’. A atriz americana, que tenta ser sempre o mais espontânea possível com a imprensa (bem distante de divas quase de porcelana com que a imprensa mundial tem de lidar nas maratonas de lançamentos hollywoodianas), concedeu a entrevista descalça, com os pés na cadeira, sem maquiagem e usando um pullover super surrado. E não tem medo de errar ou gaguejar nem mesmo ao responder a perguntas mais comprometedoras.
A seguir, o papo de Kristen com esta blogueira que vos escreve:

Finalmente uma vampira! E finalmente você teve a chance de dar uma surra em uns e outros.
Sim. Passei anos o suficiente vendo os outros fazendo isso. Senti que, mesmo intimidada pela ideia de interpretá-la, porque sinceramente acho que ela é o vampiro mais legal da Saga toda, tive o cuidado de dar um passo após o outro para chegar finalmente a este ponto. Acho que o processo todo de se tornar uma vampira mostra o quanto ela cresceu. A história leva a um final progressivo e natural em direção a isso. Mesmo a palavra que a gente usa, que ela ‘mudou’, não acho que seja adequada. Porque não acho que ela mudou. Acho que ela se tornou a versão real de si mesma.

Qual é o melhor momento de todo o processo da Saga para você?
Tendo a Saga toda em perspectiva, posso dizer que nunca dei mais de mim do que na última semana de filmagem. A gente não sentia no começo o que a série ia virar. Para ser honesta, era como uma luta constante. Todos estavam dando tanto de si. Quando se pensa que se tem apenas uma chance para se fazer algo, é preciso realmente se dedicar.

E o pior?
Ah, as lentes de contato sem dúvida! Se não fosse pelas lentes de contato, que todos odiavam, eu pensaria realmente que eles me odiavam no set. Elas realmente te deixam meio cega. Eu pelo menos usei lentes castanhas durante os filmes. Mas neste último tive de usar as vermelhas. Por um lado, o que é um pouco egoísta de minha parte, gostava das lentes porque me mudavam um pouco e também porque isso era fiel à história do livro. Mas como uma atriz, confesso que culpava as lentes por cada coisinha errada que fazia. Dizia: Mas também estas lentes! Eu não consigo ver nada!

Você está feliz, se sente livre pelo fim da Saga?
Por um lado estou muito feliz por não ter de me preocupar mais com o personagem, mas por outro acho que ‘aliviada’ não é ideal porque, ao mesmo tempo que a preocupação é tirada de nossas costas, também sentimos saudades. Afinal, é algo que nos acompanhou por anos. Nunca houve um momento em que, mesmo que estivéssemos trabalhando em outro projeto, ou quando não estávamos filmando, que o personagem não viesse dar um tapinha nos meus ombros e dissesse algo como: ‘Você vai se casar em três anos. Como é que vai ser? Você está animada com a ideia de que vai ter um bebê? Você vai ter uma conexão especial com o bebê? Em geral a gente tem um período específico e curto em que isso ocorre, mas, depois de cinco anos, há uma leveza em deixar isso ir embora, mas é algo que amamos e acho que é um pouco triste não voltar a fazê-lo.

Robert Pattinson disse que não se importaria em voltar ao set para filmar um sexto filme se Stephenie Meyer escrevesse uma nova história. Você voltaria?
Acho que a gente não sabe ao certo a esta altura. Claro que sim. Mas o que mais pode acontecer a eles? Eu me sinto mal por eles. Tipo, deixe-os em paz. Ela precisa ser feliz.

Talvez Renesmee, a filha.
Exato! Há tantos aspectos que ainda não foram explorados no universo de Crepúsculo, mas sinto que Edward e Bella seriam meio tediosos a esta altura.


Por falar na filha, como foi interpretar uma mãe?

Foi bom. Não é todo mundo que tem este estalo da maternidade. Eu sei que sou bastante jovem, mas, especialmente uma mãe-vampira, que se torna vampira enquanto está dando à lua. Tudo se misturou. No sentido de que os outros vampiros já eram formados, já eram eles mesmos quando se tornaram vampiros. Mas Bella não… Não sei se entende o que estou tentando dizer… Tipo, algumas mães são como as mães do Exterminador do Futuro, sabe? Tipo, fazem de tudo para proteger seus filhos. É tão legal! Acho que tenho uma mãe assim. E eu era tão protetora nesta história e Stephenie também era. Ela mostrava alguns rascunhos de coisas que tinham sido modificadas no roteiro, em que outras coisas aconteciam. E ela fazia sempre questão de que o cuidado com a Renesmee fosse sempre uma preocupação. E eu fiquei feliz por isso.


Ser mãe na ficção fez com que você tivesse vontade de ser mãe.

Não. Não pensei nisso. Bom, quer dizer, não vejo a hora de ser mãe, mas posso esperar. O fato é que definitivamente tenho esta vontade. Tenho sim.

Você já tem planos para filmar novamente.
Não filmo desde Na Estrada e Branca de Neve, e não posso falar ainda, mas tenho analisado alguns roteiros. Leio roteiros o tempo todo. Bom, em geral eu não planejo minha carreira milimetricamente. Somos responsáveis pelos personagens que vivemos. Se eu soubesse exatamente o que eu quero fazer, estaria dirigindo.

A leitura e a escrita são duas grandes paixões sua. Você tem vontade de escrever mais, lançar um livro?
Sim. Mas nunca pensei em uma história fechada. Adoro as palavras, mas talvez eu me sinta um pouco intimidada pela ideia. Porque não sei se eu seria uma grande contadora de histórias. Escrevo poesia. Talvez eu vá com calma, porque realmente há milhões de coisas que quero fazer porque estou numa posição privilegiada, em que posso fazer várias projetos.


Você se descreveu como sendo socialmente desagradável há algum tempo. Ainda se vê assim?

Acho que as pessoas acham que eu sou desesperadamente e socialmente desagradável, mas hoje em dia ligo muito menos para isso. Desculpem se incomodei vocês alguma vez.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.