As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Homem Comum’ vence É Tudo Verdade 2014

Flavia Guerra

12 de abril de 2014 | 22h13

Festival premiou os melhores do ano em cerimônia marcada por manifesto em defesa do documentário brasileiro

 

etv2.jpg

O diretor Carlos Nader é cumprimentado pelo criador do festival, Amir Slama

O documentário ‘Homem Comum’ é o vencedor da competição brasileira de longas e médias-metragens do Festival É Tudo Verdade 2014.  na competição de curtas, o vencedor foi ‘Borscht, uma receita russa’.  Já na competição internacional, o prêmio de melhor longa foi para ‘Jasmine’. “A gente sempre pensa em que festival estrear um novo filme. Escolhi o É Tudo Verdade para estrear o Homem Comum pela afeição, pelo carinho. Porque sabia que aqui ele seria especial”, comentou o diretor Carlos Nader ao receber o primeiro prêmio para seu filme, o da Abbracine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema). Nader, que voltou ao palco para receber o prêmio principal da noite, destacou  o fato de ser o primeiro diretor a ser premiado duas vezes pelo festival. “Nunca imaginei que me dariam o prêmio de novo. Estou muito feliz”, disse ele, que foi vencedor do Festival É Tudo Verdade de 2008, com ‘Pan-Cinema Permanente’.
A cerimônia também foi marcada pela entrega do Manifesto em Defesa do Documentário Brasileiro.”É uma honra estar aqui. Questão candente para o documentário de longa brasileiro. Questão da produção a que este documento faz menção”, declarou Regina Jeha, da Apaci (Associação  Paulista dos Cineastas). Em um de seus trechos, o documento menciona: “Queremos que o documentário esteja presente em todos os editais e que seja feita uma reserva de no mínimo 25% nos editais para o gênero; que o teto de orçamento para o documentário seja o mesmo para ficção e animação, respeitando seu orçamento; que o Fundo Setorial do Audiovisual agregue o documentário de longas-metragem nas suas linhas de desenvolvimento e produção; que as empresas estatais e de economia mista como BNDS, Sabesp, Eletrobras e outras, contemplem o documentário em suas linhas de patrocínio; que o Polo de Paulínia inclua o documentário no seu programa de fomento, criando contrapartida para o gênero.”
Amir Labaki, diretor do É Tudo Verdade, comentou: “o Brasil é um país que está sendo descoberto. A gente tem o É Tudo Verdade e os documentários muito mais presentes no mercado. É uma honra ver o quanto a produção cresceu e o público também.”
Confira os premiados oficiais do É Tudo Verdade 2014:
COMPETIÇÃO INTERNACIONAL
Melhor Documentário Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)
Jasmine, de Alain Ughetto.

Melhor Documentário Curta-Metragem (Júri Oficial)

Mãe é Deus, de Maria Bäck.
 Menção Honrosa para Documentário Curta-Metragem (Júri Oficial)
O Domador de Peixes, de Roger Gómez e Dani Resines.
COMPETIÇÃO BRASILEIRA
PRÊMIO CPFL ENERGIA / É TUDO VERDADE “Janela para o Contemporâneo” – Melhor Documentário Brasileiro de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)
Homem Comum, de Carlos Nader.
 Melhor Documentário Curta-Metragem (Júri Oficial)
 Borscht, uma receita russa, de Marina Quintanilha.
Menção Honrosa Documentário de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)
Democracia em preto e branco, de Pedro Asbeg.
Menção Honrosa Documentário de Curta-Metragem (Júri Oficial)
 E, de Alexandre Wahrhaftig, Helena Ungaretti e Miguel Ramos.

 

PREMIAÇÕES PARALELAS

PRÊMIO AQUISIÇÃO CANAL BRASIL DE INCENTIVO AO CURTA-METRAGEM
Melhor Documentário Curta-Metragem
Com uma câmera na mão e uma máscara de gás na cara , de Ravi Aymara.
PRÊMIO ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema)
Melhor Documentário Longa ou Média-Metragem Competição Brasileira
Homem Comum, de Carlos Nader.
Melhor Documentário Curta-Metragem
 Sem Titulo #1: Dance of Leitfossil, de Carlos Adriano.
PRÊMIO ABD SÃO PAULO DE MELHOR CURTA-METRAGEM BRASILEIRO (Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas
Melhor Documentário Curta-Metragem
E, de Alexandre Wahrhaftig, Helena Ungaretti e Miguel Ramos.
Menção Honrosa Documentário de Curta-Metragem
Sem Titulo #1: Dance of Leitfossil, de Carlos Adriano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.