As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Gloria’ vence Prêmio Platino e Sônia Braga dedica homenagem a José Wilker

Flavia Guerra

06 de abril de 2014 | 01h47

 

Festa que celebra o cinema ibero-americano teve sua primeira edição neste sábado no Panamá

 soniaplatino.jpg

Sônia  Braga recebe o trófeu pelo conjunto da carreira

Flavia Guerra / Panamá

“Obrigada . Queria dedicar este prêmios a todas as Glorias que temos dentro de nós. Homens e mulheres”, agradeceu a atriz Paulia Garcia, a protagonista de Gloria, do chileno Sebástian Lelio, vencedor da primeira edição do Prêmios Latino, dedicado à celebração dos melhores filmes ibero-americanos do ano, realizada na noite de sábado, no Teatro Anayansi, um dos mais tradicionais da Cidade do Panamá.
Apesar do Brasil não ter sido indicado a melhor filme, a atriz Sônia Braga foi a homeneaga da noite e recebeu o Prêmio Platino de honra pelo conjunto da carreira. “Muito obrigada. Para todos nós do cinema. É uma linda noite. Estou muito contente de estar aqui. Todas minhas palavras vêm do meuc oração. Parabéns aos criadores do Prêmio Platino. Muito obrigada, Panamá, por me acolher em sua casa. Para mim é um privilégio ser a primeira atriz a receber o Platino de Honra. Obrigada Enrique Cerezo por ser você quem me entrega”, declarou a atriz.
Sônia dedicou o prêmio ao amigo José Wilker, falecido na madrugada de sábado. “Pessoalmente eu desfrutei cada pequeno segundo que é estar na frente de uma câmera. Mas não o fiz sozinha. Ninguém o pode. Por isso gostaria de agradecer a todos que dividiram comigo esta travessia de minha carreira. Queria pedir licença neste momento. Como atriz e como amiga, por tudo que vivemos juntos, pelo meu grande amor, dedicar este prêmio e todos as honras e aplausos para este grande ator latino-americano e amigo, José Wilker, meu companheiro de Dona Flor, que nesta manhã nos deixou. Isto é para você, José, meu amor”, disse a atriz ao receberu o prêmio das mãos de Enrique Cerezo Torres, presidente da Egeda (Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Audiovisuais), que promove a premiação, em parceria com a Fipca (Federação Iberoamericana de Produtores Cinematográficos e Audiovisuais), órgão que incentiva coproduções entre países do grupo, reunindo produtores de 17 países. 

“Desejo vida longa ao Prêmio Latino, que acaba de nascer. E que todos os sonhos tragam noites de alegria como esta”, concluiu a atriz, que teve como companhia brasileira no prêmio a Leandra Leal. A atriz apresentou a categoria de melhor interpréte feminina do ano em seu “portunhol selvagem”. “Mando um beijo para todos no Brasil. Estou muito feliz por representar meu País”, declarou Leandra, que também está no Panamá para o Festival de Cinema do Panamã, no qual participa com o filme O Lobo Atrás da Porta. “E agora eu vou começar o meu portunhol selvagem”, brincou ela sobre seu sotaque e anunciou em seguida o nome de Paulina Garcia, de Gloria. “Estou muito feliz. Nunca pensei que estaria aqui hoje. Este personagem é tão possível, tão real. Não é que o Sebástian tenha inventado alguém, mas ele jogou um olhar extraordinário sobre uma mulher (quase) comum. E eu agradeço muito a ele por isso”, declarou Paulina sobre sua personagem, uma mulher madura que está em busca do amor.
Pelo seu trabalho em Gloria, Lelio levou também o prêmio de melhor roteiro. “É uma honra. É genial poder comemorar o cinema latino. Divido com meus companheiros de trabalhos”, declarou o diretor chileno.
O Brasil concorria nas categorias de melhor animação e melhor documentário. Entre as animações, o indicado brasileiro era Uma História de Amor e Fúria, de Luiz Bolognesi, que estava presente na cerimônia. Mas o vencedor foi o argentino Um Time Show de Bola, de Juan José Campanella. “Nosso limite é nossa capacidade de imaginar”, declarou Gaston Gorali, produtor do filme.
O outro representante brasileiro em um prêmio que foi majoritariamente vencido pelos espanhois e latinos da ‘Región’ (a América hispânica), era O Dia Que Durou 21 Anos, de Camilo Cavalcanti, que também estava presente à festa. O vencedor foi, no entanto, o espanhol Con la Pata Quebrada, de Diego Galán.
Em uma cerimônia que foi enxuta nos agradecimentos, mas extensa nos diversos números musicais que destacaram cantoras e cantores latinos, o destaque foi para os clipes com cenas dos mais marcantes filmes iber-americanos da história. No primeiro dele, um clipe de três minutos, com cenas de 60 filmes, foram exibidos trechos de Cidade de Deus, Tropa de Elite, O Palhaço, entre outros. Nos demais clipes, Carmen Miranda foi lembrada, assim como foram exibidos trechos de Tatuagem e de O Som ao Redor. Este último foi considerado a grande ausência da premiação por diversos representantes brasileiros, que apontaram a falta de um filme brasileiro entre os finalistas de melhor ficção como uma das grandes faltas desta primeira edição.
O prêmio de melhor ator foi para o mexicano Eugenio Derbez, por sua performance no divertido No Se Aceptan Devoluciones. “Estou tão feliz que nem sei o que dizer. Eu nunca imaginei estar aqui. Muito menos ganhar. O que importa é que um prêmio como este valoriza o cinema latino-americano, nossos talentos. Fazemos tanto com tão pouco. Imagina o que não faríamos se tivéssimos muito mais recursos”, comentou Derbez após deixar o palco, em conversa com jornalistas.

Confira a lista completa dos premiados

Melhor Filme
Gloria, de Sebástian Lelio
Melhor Roteiro
Sebastián Lelio, por Gloria
Melhor Atriz
Paulina Garcia, por Gloria


Melhor Ator
Eugenio Derbez, por No Se Aceptan Devoluciones
Melhor Diretor
Amat Escalante (Heli)
Melhor Música Original
Emilio Kauderer (Um Time Show de Bola – Argentina)
Melhor Animação
Um Time Show de Bola (Argentina)
Melhor Documentário
Con la Pata Quebrada, de Diego Galán

Tendências: