A COR DO DESEJO – Parte III – ou A VOZ DOS SEM VOZ
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A COR DO DESEJO – Parte III – ou A VOZ DOS SEM VOZ

Flavia Guerra

17 de novembro de 2008 | 19h23

Para encerrar este capitulo, fato mais que real:

Londres

voice

A amiga brasileira pergunta ao amigo polones:

– Vamos a um sound-system?

O polones, nascido e crescido em Varsovia, retruca:

– Sound-system? Aquelas festas do sul? Onde esta cheio de negao? Por que voce quer ir a um lugar destes?

A amiga, que acaba de filmar um pequeno video sobre a historia da musica negra no agitado sul de Londres, responde:

– Porque estou sempre atras da historia da boa musica. Tenha ela que cor tiver. E a boa musica inglesa tem seu berco no sul. ‘E la que nasceram os sound-systems. O ska, o reggae e ate o rock que a gente ouve hoje deve muito aos musicos imigrantes do caribe que ainda vivem la.

O amigo continua sem entender:

– O sul para mim ‘e sinonimo de gangues, assassinatos, traficantes e gente bebada. Esta eu passo.

A amiga, que entende mas nao compreeende o medo injustificado do amigo, mostra a ele o video que fez:

– Se chama Voice for the Voiceless (Voz para os sem voz). Veja se gosta e se muda esta sua cabeca loira polonesa:

Cinco minutos depois, ele se limita a retrucar:

– Legal. Mas ainda assim eu passo. Por que voce nao convida a Helena? Ela, ainda que polonesa, casou com um frances negro. ‘E um cara otimo. Ate os pais dela, que sao do interior da Polonia, gostam dele. E olha que na primeira vez que eles vieram a Londres ficaram admirados com quanta gente de outras racas havia aqui. Eu prefiro musica tecno. E por mim estes ‘sem voz’ vao continuar calados.

No entanto, o sul de Londres nao se cala. Sua musica toca em alto e bom som. Nas cabecas e nos sound-systems mundo afora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.