VMB 2008: A melhor festa do ano (para variar)

Estadão

03 de outubro de 2008 | 13h24

Tiago Queiroz/AE

Como sempre, o Video Music Brasil da MTV foi a melhor festa do ano. Eu divido o ano, inclusive, em duas partes: antes do VMB e depois do VMB. Como a festa acontece sempre nessa época (mais ou menos), dá para dizer que a festa marca o início… do fim do ano. É isso aí: eu já estou pensando em 2009.

Antes de falar da festa, no entanto, vamos falar da premiação. E isso também foi como sempre: um pouco longa, mas com uma produção incrível, momentos divertidos, alguns micos.

O apresentador Marcos Mion, por exemplo, foi muito bem. É claro que o egocentrismo dele irrita um pouco, principalmente pela necessidade de tirar a camisa e mostrar que está fortão, etc. Mas acho que ele está mais na boa, perdeu um pouco aquele jeito adolescente/trash que ele tinha há alguns anos. Hoje, ele parece ser um cara engraçado e inteligente. Não sei se foi porque Daniela Cicarelli era muito ruim (só valia a pena para quem assistisse o programa sem som, porque, convenhamos, ela é muito linda), mas Mion tem o ritmo perfeito para o VMB: é divertido, ágil, tem boas sacadas. É engraçado perceber isso, mas em um país com tradição forte em TV como o Brasil, parece que ainda falta gente com aptidão para o papel de Mestre de Cerimônias, principalmente em um evento jovem e descolado como o VMB. Talvez o Marcelo Adnet, que também foi muito bem ontem, possa ser uma aposta para o ano que vem. Ele foi muito engraçado, principalmente nas imitações – Dinho Ouro Preto, por exemplo, ficou igualzinho.

Uma coisa que eu acho ridícula nas bandas que ganham o VMB: ninguém fala nada com nada na hora que sobe no palco. Os indicados poderiam pelo menos pensar num textinho para o caso de ganharem. Não precisa ser uma lista do Oscar, mas pelo menos alguma coisa que fuja do ‘Porraaaaaaaa’, ‘Demaaaaaais’, ‘Aêêêê’, ‘Valeeeeeeuuuu’ e coisas do tipo. Alguém ainda acha que falar palavrão na TV ao vivo é símbolo de subversão? É burrice e só. Não precisa declarar a teoria da relatividade, mas pelo menos alguém podia subir no palco e dizer alguma coisa interessante. Seria inédito.

A premiação do VMB também marcou a estréia da banda Nove Mil Anjos. Eles se acham uma ‘superbanda’, mas estão longe disso. No máximo eles são uma superbanda teen, mas acho que nem isso. Para quem não sabe, NMA é a banda do Junior-da-Sandy-&-Junior, também conhecido como Junior Lima. A banda tem, sim, bons músicos: Junior é um bom baterista, Champignon (ex-Charlie Brown) é um bom baixista, Peu (ex-Pitty) é um bom guitarrista. O vocal é um cara desconhecido, o nome dele é Péricles/Perí. Mas acho que sobrou um pouco de atitude e faltou som na apresentação de ontem. Os caras estavam tão ansiosos que passaram a música inteira pulando de um lado para o outro; isso é legal para agitar o público, mas fica meio ‘over’ quando ninguém conhece a música ou a banda. O som deles é uma mistura de Red Hot Chili Peppers com Velvet Revolver; um hard rock com pegada anos 70 e um pouco de groove. Parece bom no papel, não? Mas ‘Chuva Agora’ podia ter um refrão mais forte, uma linha vocal mais definida… é o tipo de ‘somzera’ meio indefinida que quando acaba você nem se lembra de como era a música. Mas desejo boa sorte a eles, se tiverem humildade e deixarem de achar que são uma ‘superbanda’, pode ser que apresentem coisas interessantes no futuro próximo. Músicos para isso a banda tem.

Rapidinhas: O Ben Harper tocou duas músicas, uma com Vanessa da Mata. O cara estava tão em casa que não duvido que ele mude para o Brasil num futuro próximo; O NXZero, que ganhou quase tudo, é um fenômeno entre as teens; a melhor banda estrangeira foi o Paramore, banda que eu nunca nem tinha ouvido falar; os baianos do Cascadura têm uma das melhores bandas de rock do País; a categoria ‘banda dos sonhos’, com músicos escolhidos pelos artistas presentes, teve o Chimbinha do Calypso na guitarra – ele toca bem, mas daí a ser a banda dos sonhos… de quem, cara pálida? Entre os indicados, o Lúcio Maia (Nação Zumbi) era o melhor; a Mallu Magalhães é legalzinha – quando ela aprender a tocar violão vai ser muito melhor.

Mico da noite: o Bloc Party, uma das bandas inglesas mais hypadas da atualidade, era uma das minhas favoritas até fazer uma palhaçada na noite de ontem. O caras dublaram, dá para acreditar? Playback na cara dura. Estavam os quatro músicos no palco, um superequipamento; luzes incríveis; um repertório bem legal… e como se não bastasse uma, os caras dublam duas músicas! Foi inacreditável, muito decepcionante. Foram vaiados, merecidamente. E o Mion fez a sua melhor participação da noite: “Quem sabe faz ao vivo…” Foi aplaudido, merecidamente.

Agora vamos falar sobre a festa… foi incrível. Este ano o evento foi na Pacha, na Zona Oeste, e mais uma vez teve a produção do Lallo Amaral – esse cara sabe fazer uma festa. Quem sabe eu o convido para fazer minha festa de aniversário de 40, daqui a dois anos. (até parece que eu tenho esse cacife).

Podem falar o que quiser, mas festa boa é festa com mulher bonita. E isso não faltou ontem: faz tempo que eu não vejo uma festa com tanta mulher bonita. Pena que isso é tudo o que eu posso falar sobre a festa.

Abaixo, os vencedores do VMB 2008

CLIPE DO ANO
PELA ÚLTIMA VEZ (NXZero)

WEBHIT
A DANÇA DO QUADRADO

SHOW DO ANO
PITTY

ARTISTA INTERNACIONAL
PARAMORE

APOSTA MTV
GAROTAS SUECAS

HIT DO ANO
PELA ÚLTIMA VEZ NXZero

VC FEZ
FÁBIO VIANA

REVELAÇÃO
STRIKE

ARTISTA DO ANO
NXZero

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.