VMB 2007

Estadão

28 de setembro de 2007 | 19h48

cica

Era para eu ter escrito este post de manhã, mas algo que começa com “Res” e termina com “Saca” me impediu. De qualquer maneira, não posso deixar de registrar que ontem fui ao VMB da MTV e faz tempo que eu não vou a uma festa tão legal e com tantas mulheres bonitas. Antes que você pergunte, sim, eu fui com a minha mulher.

Para variar, o VMB foi a melhor festa do ano. Imagina só: você vê shows de Juliette Lewis & The Licks, Marilyn Manson, Lobão e vários outros nomes legais. Daí chega a hora da megafesta, com mais shows, pistas de dança, áreas VIP, um visual incrível (parabéns, Lallo) e com tudo liberado (champagne, whisky, vodka, cerveja, comida). Além disso, ainda encontra amigos e amigas que você viu há um ano (exatamente na festa passada).

Começando pela premiação, tem gente que vai dizer que eu pego no pé dela… mas a verdade é que a Daniella Cicarelli não tem a menor condição de ser a apresentadora do VMB. Ela não sabe falar, não tem a menor graça e não cria a menor empatia com o público. Ela só é realmente boa para uma coisa: embelezar o palco (ou a tela da TV). Cicarelli é muito fraca, mas muito, muito linda (foto acima de J.F.Diório/AE). Mais tarde ainda a vi na festa, depois da premiação, e descobri que ela consegue ser ainda mais bonita pessoalmente. Considerando o elenco da emissora, o melhor apresentador, na minha humilde opinião, seria o Marcos Mion ou a dupla do Rock&Gol Paulo Bonfá e Marcos Bianchi: pelo menos são mais engraçados e se viram melhor no improviso.

Como estive em todos os 13 VMBs, acho interessante ver como a MTV é uma espécie de espelho do mercado fonográfico/artístico. Alguns nomes que a emissora tenta divulgar acabam não emplacando, outros emplacam antes da emissora perceber sua força. Mas, na média, é um reflexo do que o público jovem anda ouvindo.

O que eu percebi ontem foi a clara mudança de geração por que passa a nossa música pop/rock: bandas como Titãs e Skank, campeões da premiação há poucos anos atrás, viraram ‘dinossauros’ rapidamente e não passaram nem perto dos prêmios na noite de ontem.

Falem o que quiser, mas a MTV (Music Television) conseguiu criar uma fórmula com pouquíssima ‘Music’ em sua programação e manter o sucesso e a relevância no mercado fonográfico. O resultado é uma emissora voltada para adolescentes, que fala diretamente com esse público e reflete com isso seus gostos musicais atuais: NX Zero, Pitty, Fresno e por aí vai. É uma nova geração que vem aí, e nem quero entrar no mérito do talento deles. Eles estão aí, estão fazendo sucesso, e isso é o que importa. O resto é aquele papo “no meu tempo era bem melhor…” A música anda em ciclos, e agora é a vez das bandas ‘emos’. É bom deixar claro que esse estilo faz sucesso em todo o mundo, não apenas no Brasil.

Resumindo: fazia tempo que eu não ia a uma balada tão boa. Agora é só esperar por 2008. Até lá acho que a ressaca já passou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.