Viva o Metalsexual

Estadão

02 de março de 2008 | 19h20

iron maiden

O Metalsexual é um personagem diferente de todos os ‘não-sei-o-quê-sexual’ que você já conhece. Ele não é tão fresco quanto o Metrossexual, por exemplo. Também não é tão comum quanto o Heterossexual. E a sigla GLS, para o Metalsexual, é apenas um modelo antigo de Parati com todos os acessórios.

Resumindo, o Metalsexual é um heterossexual com atitude. O nome é inspirado, claro, em quem gosta ou já gostou de heavy metal. Quem foi headbanger na vida nunca deixa de ser. É um estado de espírito sempre pra cima, pra cima… até chegar no volume 10.

Há Metalssexuais homens e mulheres. Além do amor pelo metal, eles têm em comum um comportamento que geralmente não é compreendido por quem nunca foi fã de rock pesado. As pessoas ‘normais’ assistem aos shows e vêem um monte de cabeludos se chocando uns contra os outros. De fora, pode até parecer um ato de violência. Mas não é.

É um ato de amor levado às últimas conseqüências. Um símbolo de união entre amigos que amam a mesma música. Às vezes alguém sai machucado? Sai. Mas quem nunca sofreu por amor?

O Metalsexual tem dentro de si um adolescente, não importa a sua idade. Pode ser um executivo careca de terno e gravata: hoje à noite, ao primeiro acorde de ‘Aces High’, do Iron Maiden (foto), ele esquecerá tudo que faz da sua vida um inferno. E antes mesmo do solo de guitarra, o homem sério desaparecerá para dar lugar ao garoto mais feliz do mundo.

O desempenho do Metalsexual na cama também é muito elogiado. Isso porque não há por aí melhores professores do que rockstars como Kiss e Van Halen. Nem todos os Metalsexuais têm camarins cheios de groupies, mas os bares de rock espalhados pelo mundo quebram o galho: são boas salas de aula.

A aparência do Metalsexual também engana. Sabe aquela tatuagem com demônios queimando na fogueira? É só um modo de disfarçar sua sensibilidade. O piercing na sobrancelha? É para ressaltar o olhar romântico. Mas confie em mim: por baixo da camisa preta estampada com milhares de caveiras bate o coração mais verdadeiro que você já conheceu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.