Dia dos Namorados: Essa data é uma viagem

Estadão

10 de junho de 2009 | 16h03

Mais um Dia dos Namorados está chegando. Na teoria, muito amor e romance no ar. Na prática, shoppings lotados, alta no preço da dúzia de rosas e filas de carros nos motéis. Sem contar aquela enxurrada de comerciais na TV que poderiam vender celulares, bichinhos de pelúcia ou pastas de dente: está todo mundo sempre sorrindo.

É normal haver uma apreensão entre os namorados na hora de escolher o presente. Recomenda-se uma certa equivalência de valores para ninguém ficar comparando e pensando que o sentimento de um é maior que o do outro. A não ser que um dos dois tenha bastante dinheiro, porque daí é praticamente obrigatório dizer o quanto se ama com o maior número possível de quilates. Lembre-se: apesar de os gays terem conquistado um bom espaço, o diamante ainda é o melhor amigo de uma mulher.

Apesar de isso soar como pão-durismo (e provavelmente é mesmo), acho que o valor do presente não é tão importante. O mais legal é o outro constatar que você presta atenção aos seus gostos. Não vejo o menor problema em dar apenas um CD de presente de Dia dos Namorados, desde que seja aquele CD que ela mencionou há três meses durante um jantarzinho qualquer. Sou da época em que se gravava fitinhas-cassete com as músicas favoritas da namorada. A cada canção voltava uma memória, uma lembrança de algum acontecimento legal.

Hoje isso é até meio ingênuo, ainda mais numa época em que qualquer MP3 player armazena 2 mil músicas. Quem viveu 2 mil acontecimentos legais? E olha como o preço não é importante: melhor do que comprar um CD de presente seria… compor uma música para ela. Quanto valeria isso?
Dia dos Namorados também é bom para definir o relacionamento que você tem. Sempre defendi que quem é casado não deve comemorar a data. Casado é casado, namorado é namorado. Você sofre pra burro para tomar uma decisão na vida, daí vem uma marca de lingerie e diz que vocês são eternos namorados? Besteira. Noivos e noivas também estão fora: noiva não é namorada, assim como esposa também não. Não queria ficar noiva? Agora aguente.

Para evitar confusão, uma boa notícia: o Dia dos Namorados cai no meio do feriado de Corpus Christi. Assim, em vez de comprar aquele sapato que ela estava ‘precisando tanto’, você pode presenteá-la com uma viagem – e aproveitar para ir junto. Nada de troca de presentes: seria um presente só para os dois curtirem juntos. Tem coisa mais romântica?

Um feliz Dia dos Namorados… e uma boa viagem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: