Uma salva de palmas (de cerâmica)

Estadão

08 de maio de 2008 | 11h20

Love Evelyn Tannus

Para quem mora em São Paulo, um programa legal para fazer no próximo sábado, antes do almoço, na véspera do Dia das Mães: Evelyn Tannus, artista plástica talentosa e mulher de um grande amigo meu, expõe na loja Benedixt (R. Haddock Lobo, 1584, Jardins) a sua nova coleção, com peças bastante inusitadas e originais. São 30 mãos de cerâmica, pintadas com temas que transitam entre tatuagens clássicas e a arte da quiromancia, passando por superstições e crenças populares.

Evelyn é a prova de que arte pode ser uma espécie de mistura bem sucedida de talento com técnica. Quanto à parte da técnica, a mineira iniciou sua carreira fazendo cursos com alguns dos grandes mestres brasileiros. Entre eles, o genial Amilcar de Castro, que também está em cartaz em São Paulo, com uma belíssima exposição na Galeria Millan (R. Fradique Coutinho, 1360, Vila Madalena). São 30 esculturas em madeira, mármore, vidro e metal, talvez a grande matéria-prima do artista.

Outra com quem Evelyn teve aulas foi Jac Leirner, que por coincidência artística também está em cartaz com uma de suas esculturas – ‘O Livro (dos Cem)’ na Galeria Vermelho (R. Minas Gerais, 350, Consolação).

Palmas para todos eles. Mas com cuidado, para não quebrar as mãos de cerâmica… Abs, F.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.