O Dia dos Namorados começa no primeiro encontro

Estadão

12 de junho de 2008 | 12h46

jupaes
O lugar ideal para meu primeiro encontro com Juliana Paes? Em um sonho, e olhe lá

Se você ainda não lembrou, é bom ficar ligado: hoje é Dia dos Namorados. Não comprou presente? Aproveite que você está na internet e mande flores por um desses sites virtuais. Ou levante essa preguiça da cadeira e vá até algum shopping, rapidinho, comprar alguma coisa que a faça lembrar de você até o próximo… Dia dos Namorados.

Aproveitando a data, achei interessante tirar um texto meu da gaveta e lembrar que todo namoro, noivado e casamento começa com… o primeiro encontro romântico. Afinal, dá para conhecer um homem pelo lugar onde ele leva uma mulher na primeira vez que sai com ela.

Quem é esperto tem várias opções na manga, e espera para escolher o programa de acordo com a roupa da mulher. Se ela estiver de decotão e salto alto, por exemplo, é bom caprichar.

Mas também não é errado planejar o local com antecedência (para não gaguejar quando a mulher perguntar ‘e aí,onde a gente vai?’ Mulher odeia isso). Alguns amigos meus vão direto para algum boteco, não importa se a mulher está de tailleur ou de biquíni. Eles são do tipo ‘bate-papo’, caras que gostam de conversar, dar um gole, conversar, dar um gole… até a mulher ficar meio altinha. Se pintar um beijo, ótimo. Sexo? Melhor ainda. O importante é molhar as palavras com algum líquido alcoólico e ver o que acontece.

Há também o ‘cara-balada’, que só vai nas boates da moda. Esse não está muito interessado no que a garota tem a dizer, ainda mais porque não dá para ouvir nada com o barulho que rola na pista. Este tipo de encontro é tão romântico quanto o ‘teste da areia’, aquele em que o cara marca na praia para avaliar o corpo da mulher. Só que aqui é uma versão urbana, já que São Paulo não tem mar: o cara confere a garota dançando para saber se tem futuro. Afinal, como dizem por aí, ‘a dança é a expressão vertical de um desejo horizontal’.

Há ainda o ‘homem-restaurante’, que sempre convida a mulher para jantar. Este não está ali para brincadeira: é bom a mulher saber o que quer daquele encontro, porque ele com certeza já sabe.

Como dá para interpretar tudo na vida, também dá para classificar os homens de acordo com o restaurante escolhido. Um restaurante japonês prova que você é um investimento (literalmente, já que a conta será invariavelmente alta). Restaurante francês? O cara é chique; é bom você ser também. Italiano? Tradicional, família. E talvez você nem tenha percebido, mas se ele levar você a um restaurante chinês é bem provável que ele seja… chinês. Pratos picantes, como tailandeses ou mexicanos, só devem entrar no cardápio após uma pesquisa sobre o histórico estomacal do casal. Mas atenção: se o primeiro encontro for numa churrascaria rodízio, saia correndo: ele está mais preocupado com o estômago que com o coração.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.