Sim, eu entendo de moda

Estadão

21 Janeiro 2008 | 12h28

Depois de acompanhar mais uma vez a São Paulo Fashion Week, cheguei a uma humilde conclusão: eu entendo de moda.

Pare de dar risada, estou falando sério. Essa revelação me veio após um dos vários desfiles que acompanhei ao lado de uma especialista no assunto. Acredite: eu fiz um comentário e ela concordou. Para mim, isso já basta.

Há, no entanto, uma outra prova muito mais importante: eu sei escrever o nome do estilista Alexandre Herchcovitch corretamente, sem consultar o Google ou algum site de moda. Quer saber se sua amiga é fashion? Peça para ela soletrar o nome dele.

Durante a SPFW, gosto de andar pelos corredores da Bienal do Ibirapuera prestando atenção nos tipos esquisitões do mundo da moda (também dou uma olhadinha de leve nas modelos, afinal ninguém é de ferro, mas isso não vem ao caso). Sabe o que eu descobri? Que o mundo da moda é 100% atitude.
Estar na moda não tem nada a ver com a beleza ou a elegância – ao contrário do que muita gente pensa. Basta se vestir com convicção dentro do seu estilo, não importa o tecido da sua blusa ou o comprimento do seu vestido.

Vamos pegar a Glória Kalil, por exemplo, uma pessoa que todo mundo acha chique. Eu a vi no desfile do Fause Haten vestindo uma espécie de capa de chuva branca, coberta do pescoço aos pés. Eu achei estranho, mas tenho certeza de que todo mundo vai dizer que ela estava elegante. Agora imagine se eu sair por aí vestido com uma capa de chuva branca… Vão pensar que sou um enfermeiro preparado para enfrentar uma enchente.

E a Vivienne Westwood, então? Fui à exposição dos sapatos criados pela inventora do punk e quase saí correndo de medo. Aquilo não são sapatos, são armas brancas. Quem usa um sapato daqueles nem consegue entrar num avião nos EUA sob suspeita de terrorismo. Lembra das botas do Kiss, que diziam que eles usavam para matar pintinhos? É por aí.

Na próxima vez que abrir seu guarda-roupa, pense nisso. Eu, por exemplo, sempre pergunto à minha camiseta branca e ao meu velho jeans: ‘vocês têm atitude?’ Eles sempre respondem que sim.