Pensando como uma mulher

Estadão

08 de março de 2009 | 12h54

Se eu fosse você

Hoje é o Dia da Mulher. Não gosto dessa homenagem, assim como não gosto do Dia da Saudade nem do Dia do Pico do Jaraguá. Se 8 de março é das mulheres, quer dizer que todos os outros 364 dias do ano são nossos? Nunca vi Dia do Homem no calendário – o mais próximo é o Dia do Orgulho Gay, e por razões óbvias não podemos chamar de ‘nossa’ essa data tão colorida e, digamos, neutra.

Como sou voto vencido, porém, aproveito a data para imaginar algo totalmente surreal. Como seria minha vida se eu fosse mulher?

Calma, não estou pensando em virar gay nem trocar de sexo. Estou falando de algo divertido, como o filme ‘Se Eu Fosse Você’ – cuja parte 2, aliás, bateu o recorde do cinema brasileiro com mais de cinco milhões de espectadores. Por que será que um homem em um corpo de mulher (e vice-versa) desperta tanto interesse no público?

Comecei a pensar qual seria a primeira coisa que eu faria se fosse mulher. Bem, não vou contar aqui porque esta é uma coluna familiar. Vamos ver a segunda coisa, então: eu entraria em um banheiro feminino e ficaria esperando duplinhas de mulheres entrarem. Todo homem sonha em saber o que as mulheres conversam quando vão ao banheiro. Já ouvi falar que elas entram sempre em duplas porque aproveitam para jogar pingue-pongue, mas acho que é mentira. Nunca vi uma mesa de pingue-pongue em um banheiro feminino – ops, talvez seja porque eu nunca entrei em um banheiro feminino.

Está tão calor que, se eu fosse mulher, iria trabalhar de saia e sandália rasteirinha. Nunca entendi por que nós, homens, não podemos trabalhar de bermuda e havaianas. Puro preconceito.

No fim de semana, eu iria ao salão de beleza e faria um banho de creme. Não sei exatamente o que é um banho de creme, mas parece ser uma coisa muito boa. Sei lá, deve ser algo mais ou menos como mergulhar numa piscina de sorvete. No cabeleireiro, eu ligaria a TV em um jogo de futebol, subiria na mesa e perguntaria em voz alta: ‘alguém aqui pode me explicar o que é impedimento?’

Daí eu ligaria para os meus amigos e combinaria jantarzinhos todas as noites da semana – só para vê-los pagando a conta. E faria questão de pedir uma caipirinha de frutas vermelhas com saquê e adoçante, ou outro drinque ridiculamente feminino. Por que as mulheres gostam de drinques doces e enjoativos? Eu finalmente poderia descobrir.

Tem ainda uma última coisa muito radical que eu adoraria fazer: engravidar (sem sexo, claro). Seria incrível ver minha barriga crescer e saber que não foi por causa da cerveja.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.