Os vencedores do 66º Globo de Ouro

Estadão

12 de janeiro de 2009 | 13h03

Lucy Nicholson /Reuters

Alguém viu ontem o 66º Golden Globe Awards na TNT? É uma premiação de cinema no estilo do Oscar, na verdade, uma prévia da Academia. Hollywood é incrível, mesmo. Quem via aquelas dezenas de celebridades chegando no tapete vermelho para a entrega do Globo de Ouro poderia imaginar que o mundo era um lugar perfeito, sem problemas, sem crise econômica, sem Gaza, sem África… so perfect.

Era tanta gente linda, mas tanta gente linda, que parecia um Olimpo repleto de deuses da beleza. Enfim, o showbiz é um dos pilares da cultura americana, e pelo jeito vai ser assim durante um bom tempo.

(Clique aqui para ver a entrevista do jornalista Ubiratan Brasil, do Caderno 2, na TV Estadão)

Outra coisa: Fazia tempo que eu não via tanta mulher bonita no mesmo lugar: Penélope Cruz estava sensacional; Beyoncé, um escândalo; Jennifer Lopez, sem palavras; a Salma Hayek, sensacional; a Eva Mendes dava nervoso; a Kate Beckinsale estava maravilhosa. Mas sabe quais foram as minhas preferidas?

Em primeiro lugar, Kate Winslet. Ela, que não era exatamente uma mulher muito bonita em ‘Titanic’, virou uma atriz tão, tão linda – deve ser o talento. Ontem, só para se ter uma ideia, ela ganhou dois prêmios, o de Melhor Atriz de Drama (Revolutionary Road) e Coadjuvante (The Reader). O diretor Sam Mendes, marido da Kate, é um cara de sorte. Ela nunca esteve tão bonita.

AP Photo/Mark J. Terrill

Outra que me chamou a atenção foi a Laura Linney. Sei lá, eu acho ela tão bonita, tão simpática. Sabe aquelas mulheres que têm cara de gente boa? Pois a Laura (olha a intimidade) é assim para mim. Vai ver que eu dei sorte, porque ela também ganhou um prêmio ontem (Melhor atriz em minissérie para a TV, por ‘John Adams’)

Outros comentários rápidos sobre o evento:

1. Eu queria ser o Clint Eastwood. O cara vai fazer 79 anos e está inacreditavelmente bem, além de continuar trabalhando, etc. Esse eu queria ser MESMO.

2. Não consigo acreditar na beleza da Demi Moore. Acho que o sobrenome dela é ‘Gray’ e ela tem um retrato ficando velho em algum lugar de sua mansão em Malibu.

3. O Heath Ledger, que morreu no ano passado, era um excelente ator e merece todos os elogios do mundo. Ele ganhou o prêmio ontem de Melhor Ator Coadjuvante, mas acho que o discurso do diretor Christopher Nolan (‘Cavaleiro das Trevas’) foi super exagerado. Pô, o cara era bom, mas também não era o maior ator da história do cinema, né? As pessoas morrem e são canonizadas, é incrível.

4. Gosto do Johnny Depp, mas ontem o cara estava fazendo tanto tipo que tive que mudar de canal. Tudo bem, ele é galã, ótimo ator… mas faz um tipo de rebelde que pelamordedeus! Convenhamos, ‘Piratas do Caribe’ é um filme infantil e a atuação dele é caricata até dizer chega. Daí até posar de existencialista francês vai uma longa distância.

5. Se eu pudesse ser um ator, eu queria ser o Aaron Eckhart. O cara parece ser gente boa, tranquilo, faz uns belos filmes e ainda tem um dos meus papéis favoritos na história do cinema: o protagonista de ‘Obrigado por Fumar’. Gênio!

6. Quem ganha prêmios deveria ser proibido de agradecer as pessoas. É tão chato aquele papo de ‘queria agradecer meu agente, as pessoas do estúdio tal, os outros não sei o quê…’ Boring! Cada um devia subir no palco e falar algo sobre seu trabalho, como criou o personagem, como foram as filmagens… Alguma coisa rápida, mas que acrescentasse algo ao prêmio. Quem quer saber o que o Paul Giamatti pensa do diretor de marketing da HBO?

AP Photo/NBC,Paul Drinkwater

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.