O Corinthians caiu. E daí?

Estadão

10 de dezembro de 2007 | 12h16

ellenroche

Se você já não agüenta mais ouvir falar do Corinthians na Segunda Divisão, imagine eu, que sou corintiano. Em uma semana inteira de piadinhas, sobrou até para o calendário: a segunda-feira virou… ‘Corinthians-feira’. Ha, ha, ha. No fundo, sabe o que sinto a respeito disso? Nada.

Não estou nem aí para o Corinthians. Não estou nem aí para futebol. Tenho mais o que fazer e acho que os outros corintianos como eu também deveriam ter. Porque o futebol, se você for pensar bem, não serve para nada.

Peraí… futebol não serve para nada? Não. Deve até servir para os jogadores, técnicos e dirigentes que ganham milhões com isso. Para mim, para você e para toda a torcida do Corinthians… desculpe, mas não serve para nada.

Aí chega aquele cara metido a economista e diz: “você não pode dizer isso, é um mercado que movimenta milhões de dólares em todo o mundo”. Verdade. Mas o mercado de animais de estimação também. E você não vê um dono de Poodle brigando até a morte com um dono de Labrador simplesmente porque seus cachorros são diferentes.

(Estou com tanto bode do Timão que só agüento olhar para essa camisa se ela estiver acompanhada por um recheio como o da imagem acima – a corintiana Ellen Roche, em foto de Edurado Nicolau.)

Futebol é paixão? Sim. E como toda paixão, é intrinsecamente irracional. Mas pessoas civilizadas sabem – ou deveriam saber – controlar suas paixões. Por isso, volto a dizer: futebol não serve para nada. É um investimento emocional muito alto numa coisa sobre a qual você não tem nenhum controle. Fala sério: o que muda na sua vida se o seu time perde de goleada ou ganha de 10 a 0? Pense bem? O que muda? Você fica feliz ou triste durante cinco minutos. E daí? Daí que a vida continua igualzinha.

Já fui corintiano fanático, de ir ao estádio e saber a escalação completa na ponta da língua. Hoje vejo como perdi dinheiro e energia. E como me desgastei emocionalmente. À toa.

Fica a dica para quem ainda é ingênuo o suficiente para achar que o futebol recompensa nosso amor por ele: sabe aquele dinheiro do ingresso e da camisa? Invista na educação dos seus filhos. Todo o trabalho para chegar no estádio? Gaste com o seu próprio trabalho. O tempo que você gastava vendo jogos na TV? Fique com sua família e seus amigos. O Corinthians vale exatamente o mesmo que qualquer outro time de futebol do mundo: nada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.