Keane ao vivo em São Paulo

Estadão

11 de março de 2009 | 12h52

Keane ao vivo em SP

Fotos: José Patrício/AE

Eu sempre disse que o Keane era a banda de pop perfeita. E não há nada melhor do que ver a banda perfeita do pop ao vivo, com milhares de pessoas cantando emocionadamente seus refrões melódicos e dramáticos.

Foi isso que aconteceu ontem no Credicard Hall, em São Paulo. Eu nem sabia que o Keane tinha tantos fãs no Brasil, mas o local estava lotado, com mais de seis mil pessoas. Digo isso porque a banda, com exceção de seus dois ou três singles, não chega a ser, digamos, um sucesso nas rádios. Foi uma surpresa ver tanta gente cantando as letras (eu inclusive, claro, acho que foi por isso que acordei totalmente rouco).

Apesar do show ter sido bem legal, nem todo mundo gostou. Quando fui comprar uma cerveja, encontrei duas garotas com cara de mal-humoradas. Perguntei se elas não estavam gostando do show: elas disseram que o show era muito parado, elas gostavam mesmo era de música eletrônica. Realmente, quem vai ver um show do Keane tem que esperar um show repleto de baladas, músicas melódicas, momentos acústicos. Não é uma banda para dançar, embora algumas músicas funcionem bem na pista (como a excelente ‘Spiralling’ – clique aqui para ver o vídeo).

O Keane tem uma formação estranha, já que a banda não tem baixista nem guitarrista. Em estúdio há músicos convidado, o que não acontecia ao vivo. Ontem foi diferente: havia outros músicos no palco além do vocalista Tom Chaplin, do baterista Richard Hughes e do tecladista Tim Rice-Oxley. Mas o que chamou a atenção foi ver Tom Chaplin tocando guitarra. Tocando é modo de dizer, já que a guitarra ficou baixinha, baixinha… Isso é uma coisa que falta no Keane ao vivo: uma bela guitarra, principalmente para injetar um pouco de energia na apresentação.

(Acabo de lembrar que eu toco guitarra, alguém aí tem o e-mail do empresário do Keane? 🙂

Eu poderia destacar várias canções entre as minhas favoritas do show, mas queria chamar a atenção para o cover que eles tocaram na volta do bis: ‘Under Pressure’, do Queen. Só uma banda de pop perfeita poderia escolher um cover tão maravilhoso. Abaixo, o setlist do show de ontem:

THE LOVERS ARE LOSING
EVERYBODY’S CHANGING
BEND AND BREAK
NOTHING IN MY WAY
AGAIN AND AGAIN
ATLANTIC
THIS IS THE LAST TIME
SPIRALLING

PLAYING ALONG Tom solo/acoustic guitar
TRY AGAIN
SUNSHINE

YOU HAVEN`T TOLD ME ANYTHING
LEAVING SO SOON?
YOU DON`T SEE ME
PERFECT SYMMETRY
SOMEWHERE ONLY WE KNOW
CRYSTAL BALL

UNDER PRESSURE
IS IT ANY WONDER?
BEDSHAPED

Tom Chaplin (quase) tocando guitarra

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.