Desculpe o atraso: uma pequena diferença entre duas bandas de rock

Estadão

15 de abril de 2007 | 19h22

Sei que estou meio atrasado, mas só para compartilhar uma rápida opinião sobre o show do Aerosmith e Velvet Revolver, quinta-feira passada no Morumbi.

Como banda top americana, o Aerosmith fez um show inteiro de hits. Nada daquelas baboseiras de investir em material inédito, ou brindar os fãs com ‘futuros sucessos’. Tocaram duas horas de hits, um atrás do outro. E olha que ainda faltou ‘Pink’, ‘Crazy’ e muitas outras clássicas (hoje em dia uma música clássica é aquela cujo vídeo-clipe fica nas paradas mais de um mês).

O Velvet Revolver, por sua vez, banda de abertura cinco estrelas que ‘todo mundo queria ver’ (é incrível o número de pessoas que diz que vai num show só para ver a banda de abertura, como se ir em um show de uma banda consagrada não fosse ‘cool’ o suficiente), fez um show fraquíssimo. Só agitou um pouco em ‘It’s So Easy’ e ‘Mr. Brownstone’, ambas do Guns ‘N’ Roses. Nem o guitarrista Slash brlhou: o som de sua Les Paul estava mal equalizado e o volume, muito baixo. Joe Perry, do Aerosmith, engoliu Slash com um gole de champagne.

Scott Weiland, ex-Stone Temple Pilots, banda muito boa, também esteve apagado. Alguém precisa contar pra ele que o carisma não vem junto com o consumo de drogas. A grande diferença entre as duas bandas, enfim: o Aerosmith é uma banda formada por músicos que tiveram problemas com drogas; o Velvet Revolver é uma banda de pessoas com problemas com drogas que decidem tocar juntos. Pode parecer, mas não é a mesma coisa.