Cabelos para cima, isso é um assalto

Estadão

18 Janeiro 2007 | 19h23

Desculpe se parece que estou ficando meio amargo, mas a coisa tá feia por aqui. Eu achava que já tinha visto tudo na vida, mas quem mora no Brasil nunca pode se surpreender demais com uma coisa, qualquer coisa, aliás. A realidade é muito, mas muito mais bizarra que qualquer ficção. Impossível inventar uma história assim.

Imagina se em algum (outro) lugar do mundo uma pessoa tem o cabelo assaltado no meio da rua. Pois foi isso que aconteceu no Rio de Janeiro anteontem. A vendedora Mirna Marchetti, de 22 anos, teve o cabelo roubado por dois homens quando andava de ônibus. Os mais otimistas podem ver a história por outro lado: pelo menos o ônibus não foi incendiado com ela dentro. Sendo assim, ela já está no lucro. Uau.

Dizem por aí que o cabelo foi assaltado para ser vendido como peruca. Só pode ser. Segundo especialistas, “o mercado de perucas fica aquecido antes do Carnaval”.

(Não acredito que eu escrevi a frase anterior. E navegando pela internet, descobri que este é o segundo assalto a cabelo desde dezembro – o que é ainda mais inacreditável.)

Ainda tem gente que diz que o melhor do Brasil é o brasileiro. E olha que não vou nem mencionar (vou, sim) o caso da ex-Miss Brasil Leila Schuster que foi assaltada e arrastada pela rua, também no Rio. Ela teve que fazer uma cirurgia de reconstrução em três dedos da mão direita. Deve ser por esse clima ameno que os soldados americanos no Iraque gostam tanto do Rio.

Prometo que o próximo post vai ser leve e divertido. Se o Brasil deixar.