Ben Harper, o novo Bob Marley

Estadão

23 Janeiro 2007 | 17h04

Ben Harper

Faz tempo que não vejo tanta mulher bonita num lugar só. O show do Ben Harper, ontem no Via Funchal, foi um desfile de surfistinhas de 20 e poucos anos, queimadinhas de sol e hiper-cuidadosamente desleixadas. Parecia que eram seis mil pessoas em um luau na praia, mas em vez de um maluco cantando Raul Seixas e Legião, era o gente-boa Ben Harper e uma banda maravilhosa.

A música? Ah, tá. A música estava muito boa. Ben Harper começou o show tocando slide guitar (alguns chamam de steel guitar, outros de lap guitar) sentado, como é seu estilo tradicional. Algumas partes foram meio chatas, porque ele fica viajando muito tempo e faz uns solos intermináveis. Mas quando ele perde a preguiça e se levanta, (desculpe o trocadilho) o show também dá uma levantada. Aí vieram vários rocks psicodélicos e, principalmente, alguns reggaes muito bons. Ben Harper é o novo Bob Marley, já que os filhos dele não herdaram o talento do mestre. A mãe de Ben Harper foi backing vocal de Marley, então ele deve ter aprendido na infância.

No final do show, subiu ao palco o Donavon Frankenreiter, californiano-surfista-maluco-beleza que abriu o show. Alguém precisa aconselhá-lo a tomar banho: o cabelo não sabia o que era água há dias.

O show terminou com ‘Sexual Healing’, versão que ele fez para o clássico de Marvin Gaye. Todo mundo cantando, garotas dançando de mãozinhas para o alto e olhinhos fechados… um paraíso (no meu caso, só para os olhos, claro).

Hoje (terça-feira, dia 23) tem mais um show – acho que vou ter que ir de novo. Vale a pena – inclusive pela música.