Abaixo o Dia da Mulher

Estadão

12 Março 2007 | 13h28

Na semana passada foi celebrado o Dia Internacional da Mulher. É um absurdo: proponho o fim desta data imediatamente.

Nunca vi nada mais preconceituoso do que existir um dia especial para homenagear as mulheres. É um conceito tão errado que deve ter sido criado por um homem, talvez um velho funcionário da ONU que não tinha mais o que fazer. Um cara mais ou menos como os nossos vereadores, que ganham fortunas para elaborar projetos essenciais, como os que criam o importantíssimo ‘Dia da Saudade’ e o enigmático ‘Dia do Pico do Jaraguá’ (é sério, esses projetos foram aprovados pela Câmara).

Voltando: se 8 de março é o Dia da Mulher e nunca vi nenhum ‘Dia do Homem’ no calendário, o que isso significa? Que os outros 363 dias são em homenagem aos homens – com exceção, claro, do Dia do Orgulho Gay, um feriado, digamos… neutro.

Sei que a data nasceu em homenagem às mulheres que morreram queimadas numa fábrica em tecidos de Nova York, em 1857. Claro que isso é trágico, mas é só mais uma prova de que não deveria haver Dia da Mulher: todos os dias deveriam ser das mulheres, assim como todos os dias deveriam ser também dos homens. Data especial é coisa para minorias, caso do Dia do Índio, ou para comerciantes espertos, caso do Dia dos Namorados. Criar um dia do ano para homenagear quem já corresponde a mais da metade da população mundial é de uma arrogância gigantesca por parte de nós, homens, além de ser um enorme contra-senso. Parece mais coisa de quem quer agradar para manter as mulheres como elas eram antigamente: dependentes.

As mulheres de hoje não precisam de nós para isso, obrigado. Elas precisam de nós para dividir o sucesso, a família, a vida. E só não estão ainda no topo de todas as profissões porque o mundo anda devagar e os homens não querem largar o osso. Em vez de fazer homenagem, que tal começar a prender (de verdade) quem bate em mulher?

Viva as mulheres de verdade, que lutam pelos seus sonhos e combatem o conceito de que a mulher é propriedade do marido. As mulheres não precisam de um dia, elas precisam de amor e respeito. O ano inteiro.