‘O Mário que não é de Andrade’ e o início da Flipinha
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘O Mário que não é de Andrade’ e o início da Flipinha

Para marcar o início da feira literária de Paraty, escolhi o livro de Luciana Sandroni que fala de Mário de Andrade, escritor homenageado neste ano; autora estará na Flipinha

Bia Reis

01 Julho 2015 | 07h00

mario

A 13.ª Feira Literária Internacional de Paraty (Flip) começa nesta quarta-feira, 1.º, em Paraty, no Rio de Janeiro, e neste ano o homenageado é o poeta, romancista, crítico cultural, folclorista e gestor público Mário de Andrade (1893-1945). Para marcar o início da feira, escolhi um livro para crianças sobre o escritor: O Mário Que Não É De Andrade – O Menino da Cidade Lambida pelo Igarapé Tietê, da escritora Luciana Sandroni com ilustrações de Spacca, lançado em 2001 pela Companhia das Letrinhas.

O que mais me encantou no livro foi o jeito que Luciana conta a história de Mário de Andrade. Para narrá-la, ela criou um outro Mário, um menino de 10 anos que mora com a mãe em São Paulo. O pai vive na Alemanha, com a nova mulher e os filhos (seus meio-irmãos que ele ainda não conhece). A mãe e o pai do garoto são estudiosos da vida e da obra de Andrade e, apesar das inúmeras referências, ele não dá a menor bola para isso.

O menino Mário entra de férias e a mãe, que está prestes a concluir sua tese sobre o escritor, o leva para o parque. Na volta, convida o filho para conhecer a casa onde Andrade viveu, na Rua Lopes Chaves, na Barra Funda. Lá, a mãe entra em uma conversa sem fim com um funcionário e o menino sobe até o quarto que era de Andrade, onde encontra um bebê, vestido com roupas de antigamente. Mário sai assustado. O funcionário o convida a participar de um curso de férias de música, e ele aceita para tentar desvendar o mistério.

No dia seguinte, sobe correndo até o quarto de Andrade e encontra um menino. Descobre que se trata de Mário de Andrade, ainda criança. Eles passam a conversar, e cada vez que Mário sobe até o quarto encontra um Andrade mais crescido.

O encontro dos dois Mários é a deixa para Luciana falar do escritor. O menino vai ficando cada vez mais curioso, e é a mãe quem sana suas dúvidas sobre Andrade, a Semana de Arte Moderna e outros personagens da época.

O texto de Luciana é leve, direto, com ritmo, uma delícia de ler. Nos rodapés, ela apresenta informações sobre os personagens citados – parentes e amigos de Andrade –, além de artistas e escritores da época, como Anita Mafaltti, Oswald de Andrade e Monteiro Lobato, entre outros. No fim do livro há uma cronologia sobre Andrade, a bibliografia utilizada na pesquisa, fotografias e obras citadas ao longo da história.

Flipinha 2015. Além de Luciana, outro autor da Flipinha deste ano tem forte relação com Andrade: Odilon Moraes, que ilustrou o livro de crônicas Será o Benedito!, lançado pela editora CosacNaify em 2009.

Nesta quinta-feira, 2, às 9 horas, Luciana participa com a escritora Stella Maris Rezende da mesa Memória e Invenção, com mediação de Vivian Oliveira Campos, na Ciranda dos Autores. No sábado, 4, às 14 horas, Moraes, Alessandra Roscoe e Adriana Falcão conversam sobre Contar, Cantar e Ilustrador, com mediação de Leandro Leocádio, também na Tenda da Flipinha. Em seguida haverá um mesão em homenagem a Andrade com mediação de Anna Cláudia Ramos e Gabriela Gibrail, no mesmo local.

Serviço
O Mário Que Não Era Andrade – O Menino da Cidade Lambida Pelo Igarapé Tietê
Escritora: Luciana Sandroni
Ilustrador: Spacca
Editora: Companhia das Letrinhas
Preço: R$ 37