‘O Carteiro Encolheu!’ faz referências a textos clássicos e traz cartas com conteúdo removível
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘O Carteiro Encolheu!’ faz referências a textos clássicos e traz cartas com conteúdo removível

Lançamento da Companhia das Letrinhas é o terceiro de uma série que tem um carteiro como personagem principal

Bia Reis

05 de fevereiro de 2020 | 10h00

Capa de ‘O Carteiro Encolheu!’. Crédito: Bia Reis/Estadão

Não sei vocês, mas eu ainda prefiro o livro em papel – principalmente os feitos para crianças. E especialmente os que exigem do leitor uma atitude ativa em relação ao objeto. É o caso do recém-lançado O Carteiro Encolheu!, de Janet e Allan Ahlberg, da Companhia das Letrinhas. Trata-se do terceiro livro de uma coleção iniciada por O Carteiro Encolheu e seguida por O Natal do Carteiro, que tem, como os títulos anunciam, um carteiro como personagem principal e – divirtam-se! – envelopes com conteúdo removível.

Mas voltemos a O Carteiro Encolheu!. Aqui, o carteiro acorda para um dia de trabalho, entrega suas primeiras cartas e encomendas e para para descansar, quando é atingido por um chocalho gigante que despenca do céu, lançado acidentalmente por um menino que vive com a mãe no alto de uma planta. Com a referência ao clássico João e o Pé de Feijão, surge a primeira intertextualidade – o livro está recheado delas.

Página interna de ‘O Carteiro Encolheu!’: lupa ajuda o leitor a conferir os detalhes. Crédito: Bia Reis/Estadão

O carteiro desmaia e cai no chão. Enquanto se recupera, passa por ele um coelho com uma carta – aqui, os autores evocam outro clássico: Alice no País das Maravilhas – e juntos caem num buraco. O leitor é, então, convidado a colocar a mão dentro de um envelope onde está escrito “Leia-me” e retirar uma mensagem em formato de círculo.

ESTANTE DE LETRINHAS
No Instagram @blogestantedeletrinhas
No Facebook @blogestantedeletrinhas
Contato: estante.letrinhas@gmail.com

Ali está um convite para um chá, onde o carteiro encontra outros personagens de Alice, como o Chapeleiro. Ao sentar-se na mesa e provar a bebida, o carteiro encolhe, encolhe, até ficar pequenino. A aventura continua e outras referências a personagens e textos clássicos aparecem, como o Soldadinho de Chumbo e O Mágico de Oz.

Página interna de ‘O Carteiro Encolheu!’. Crédito: Bia Reis/Estadão

Não vou, claro, contar o fim da história, mas os autores brincam com a dicotomia realidade e fantasia.

Em forma de poesia, o texto tem ritmo e humor, e é gostoso de ler. Neste livro ilustrado, as imagens acrescentam informações às palavras, numa relação que aprofunda o sentido do texto. Você só sabe, por exemplo, que o carteiro vai trabalhar de bicicleta quando observa as imagens; a referência a João e o Pé de Feijão também ocorre da mesma forma. Outro aspecto interessante das ilustrações são os detalhes dos animais, das plantas, dos personagens de uma maneira geral.

Página interna de ‘O Carteiro Encolheu!’: livro tem objetos removíveis. Crédito: Bia Reis/Estadão

E os envelopes com conteúdo removível ajudam a contar a história, não estão só para enfeitar o livro.

Quando foi publicado no Reino Unido, em 1986, O Carteiro Chegou ampliou as possibilidades do livro infantil, impondo a materialidade da obra, e logo se tornou um clássico. No Brasil, foi lançado em 2007 e está na 11.ª edição.

Serviço
O Carteiro Encolheu!
Autores: Janet e Allan Ahlberg
Editora: Companhia das Letrinhas
Preço: R$ 59,80

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.