Novas edições de Monteiro Lobato, Programa Myra e cursos do Lugar de Ler
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Novas edições de Monteiro Lobato, Programa Myra e cursos do Lugar de Ler

Obra do mais importante escritor da literatura infantil brasileira entrou em domínio público e as novas edições começam a chegar às livrarias; conheça também o Programa Myra e o espaço Lugar de Ler, na Vila Madalena, em São Paulo

Bia Reis

15 de março de 2019 | 11h15

Novidade: As novas edições de Monteiro Lobato

Crédito: Bia Reis

Quem entrou recentemente em uma livraria deve ter se deparado com Emílias, Narizinhos, Donas Bentas, Viscondes de Sabugosa e Pedrinhos em outras versões. A série de lançamentos é consequência da entrada em domínio público, em 1.º de janeiro, da obra do escritor Monteiro Lobato, já que em 2018 a morte do autor completou 70 anos. Agora sem a obrigatoriedade de pagar direitos autorais aos herdeiros, várias editoras decidiram lançar e relançar as histórias que fizeram de Lobato o mais importante escritor da literatura infantil brasileira.

Para publicar os livros de Lobato, editoras apostaram em consultoria de grandes especialistas em literatura infantil e na obra lobatiana, além de chamar ilustradores com traço contemporâneo.

Crédito: Bia Reis

Entre as novas edições que colorem as prateleiras das livrarias está Reinações de Narizinho da Companhia das Letrinhas. O livro, que traz a íntegra da última versão do texto aprovado pelo autor em vida, foi organizado por Marisa Lajolo, especialista em literatura infantil e uma das maiores conhecedoras e estudiosas da obra de Lobato, e traz ilustrações de tirar o fôlego de Lole.

A ilustradora conta que fez uma extensa pesquisa sobre os personagens do Sítio, para ver como eles foram retratados ao longo do tempo. “O texto facilitou muito o processo criativo, porque Lobato cria um universo fantástico e surreal, assim como faço no meu trabalho”, afirma. A maior dificuldade, diz Lole, foi recriar personagens que fazem parte do imaginário brasileiro, da nossa cultura. “É diferente de criar algo do zero, sem uma visualização prévia. E eu tinha no briefing a tarefa de criar personagens totalmente diferentes dos que já conhecíamos.” Para ilustrar Reinações, Lole usou aquarela de grafite para fazer a base dos desenhos e, depois, levou para computador, para pintar e ajustar.

Em capa dura, a edição é um capricho só. As guardas já introduzem o leitor no universo da fantasia: trazem o Mapa do Mundo das Maravilhas, que aponta o sítio de Dona Benta ao lado do Castelo da Bela Adormecida, no Reino das Águas Claras. No texto que apresenta a obra, Marisa conta como era o Brasil na época em que Reinações foi escrito. Fala de tecnologia, mas também de mudanças culturais e comportamentais, adiantando-se às críticas que surgem de tempos em tempos à obra de Lobato. “Cenas assim (conversas entre Narizinho e Emília sobre como arranjar um bom marido) não provocavam espanto algumas décadas atrás; hoje, quando as meninas podem ter a profissão que desejam, as mesmas cenas podem ser lidas de modo diferente e ser entendidas, com razão, como preconceituosas ou ultrapassadas”, escreve Marisa.

ESTANTE DE LETRINHAS
No Instagram @blogestantedeletrinhas
No Facebook @blogestantedeletrinhas
Para receber notícias por e-mail, escreva para estante.letrinhas@gmail.com

Sobre as acusações de racismo na obra, a especialista lembra o leitor que Lobato criou seus personagens apenas 30 anos após o fim da escravidão e que essa proximidade deixou marcas. “Para os leitores de hoje, porém, o modo como o narrador e algumas personagens se dirigem a ela (Tia Nastácia) é ofensivo, pois, felizmente, os costumes mudaram. Também poderá ser ofensiva a forma servil com que Tia Nastácia por vezes trata a sua ‘sinhá’. Essas são heranças pesadas da escravidão, que perdurou por mais de três séculos no Brasil. Mesmo hoje em dia, persistem tratamentos diferentes que todos nós precisamos combater. E para combatê-los, o primeiro passo é reconhecê-los”, continua Marisa.

Crédito: Bia Reis/Reprodução

Também gostei muito da ideia de “trazer” Emília e Narizinho para o século 21 para explicar palavras e expressões pouco conhecidas dos leitores de hoje e comentar determinadas questões de suas histórias. O paratexto, feito pela professora de literatura brasileira e crítica literária Cilza Bignotto, apresenta uma conversa entre a boneca e a menina. As duas tratam, por exemplo, das expressões “negra de estimação” e “falar pelos cotovelos”.

Também começam a chegar às livrarias os lançamentos da FTD Educação, cujo projeto reúne a obra infantil, juvenil e adulta de Lobato. Nesta empreitada, a FTD dividiu os livros em seis coleções: Meu Primeiro Lobato, Reinações de Narizinho, Lobato em Cena (com adaptações para o teatro), Maravilhas de Lobato, Os Doze Trabalhos de Hércules e Almanaque dos Clássicos da Literatura Brasileira. O projeto editorial conta com curadoria de Milena Ribeiro Martins, doutora em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Hélio de Seixas Guimarães, professor livre-docente de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo (USP); Emerson Tin, doutor em Teoria e História Literária pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp; e João Luís Ceccantini, doutor em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Crédito: Bia Reis

A Coleção Reinações de Narizinho é formada por 11 livros – cada um corresponde a um episódio de Reinações, de 1931. Os primeiros títulos lançados são Aventuras no Sítio, O Marquês de Rabicó, O Casamento de Narizinho e Aventuras do Príncipe. A coleção traz lindas ilustrações de Veridiana Scarpelli, uma breve biografia de Lobato feita pelo professor e editor Fernando Paixão e, ao fim, um glossário com palavras e expressões.

Crédito: Bia Reis

Na Coleção Meu Primeiro Lobato, que apresenta histórias curtas extraídas de livros ou cartas do escritor, o lançamento é o surreal O Pinguim que Andou de Bonde, com ilustrações de Nelson Cruz. O livro conta o dia em que o próprio Monteiro Lobato se deparou com pinguins durante uma viagem a Itanhaém (SP) e, na tentativa de ajudar um deles, tomou o bonde com o animal no colo! Na cena, insólita, o escritor tenta convencer o motorista de que se trata de uma foca, não o pinguim, ao saber que não é permitido andar com aves no bonde. O caso aconteceu há mais de cem anos e foi narrado pelo escritor em duas cartas enviadas a seu amigo Godofredo Rangel. Sou fã do trabalho do Nelson Cruz e adorei a forma como ele ilustrou a história e, particularmente, Lobato.

Outra novidade é a chegada de Turma da Mônica – Narizinho Arrebitado, com adaptação da escritora e pesquisadora Regina Zilberman, lançado pela Editora Girassol. O livro reconta a história de Lúcia, a menina do nariz arrebitado, usando como base o primeiro livro de Lobato. Para ilustrá-lo, Mauricio de Sousa reinterpretou os personagens, dando a eles a cara da Turma.

Serviço (por ordem de citação no texto)

Reinações de Narizinho
Escritor: Monteiro Lobato
Ilustrações: Lole
Editora: Companhia das Letrinhas
Preço: R$ 64,90 (capa dura)

Aventuras no Sítio, O Marquês de Rabicó, O Casamento de Narizinho e Aventuras do Príncipe
Escritor: Monteiro Lobato
Ilustrações: Veridiana Scarpelli
Editora: FTD
Preço: De R$ 45 a R$ 49,90 (dependendo o livro)

O Pinguim que Andou de Bonde
Escritor: Monteiro Lobato
Ilustrações: Nelson Cruz
Editora: FTD
Preço: R$ 39

Turma da Mônica – Narizinho Arrebitado
Escritor: Monteiro Lobato
Adaptação: Regina Zilberman
Ilustrações: Mauricio de Sousa
Editora: Girassol
Preço: R$ 34,90

# Mais Lobato nesta Estante

Você sabia que 18 de abril foi escolhido o Dia Nacional do Livro Infantil e Juvenil por causa do aniversário de Lobato? Em 2014, para festejar a data, pedi para escritores e ilustradores me contarem como Lobato entrou em suas vidas e qual foi o livro de sua infância. Confira aqui as opiniões de Aline Abreu, Claudio Fragata, Fabrício Carpinejar, Ionit Zilberman, Janaina Tokitaka, Marcelo Maluf, Renato Moriconi, Socorro Aciolli e Tino Freitas. Em 2016, escrevi sobre três livros do Lobato então recém-lançados pela Editora Globinho com ilustrações cinematográficas do Eloar Guazzelli Filho.

Promoção da leitura: Programa Myra recebe 295 inscrições

Crédito: Fundação SM/Reprodução

“O Victor estava tímido no nosso primeiro encontro. E no segundo, e no terceiro. Porém, lá pelo quarto encontro, ele veio me contar sobre o videogame que gostava de jogar. Na semana seguinte, me contou sobre um filme que havia visto e que o tinha impressionado muito. Assim fomos nos conhecendo, e fui filtrando cada vez melhor o material para apresentar para ele. Busquei livros de suspense, livros com criaturas fantásticas. Até que, um dia, ele chegou me contando que havia lido um livro inteirinho em casa, sozinho. Abriu na parte que mais gostou e leu para mim. Achou “da hora” como o monstro do livro explodia em meleca! Esse aprofundamento não teria sido possível se não fôssemos apenas nós dois, toda semana, nos conhecendo e buscando algo que
o fizesse encontrar na leitura o que lhe desse prazer.”

O relato acima é da Luciana Loew, produtora de conteúdo digital e colunista de literatura infantil da Pais e Filhos, que foi voluntária no ano passado do Programa Myra – Juntos pela Leitura, da Fundação SM, em uma escola da rede pública aqui em São Paulo.

O programa, conta Maria do Pilar Lacerda, diretora da Fundação SM Brasil, nasceu em 2011, em Barcelona, e teve sua metodologia traduzida e implementada no País. O que mais atraiu a fundação foi o jeito artesanal do Myra. “Durante um ano, um voluntário se encarrega de encantar uma criança por meio da leitura, lendo junto, mostrando títulos, estabelecendo vínculos”, diz Pilar. Segundo ela, o fato de haver um voluntário para uma criança é o principal diferencial do programa, mas é também o que dificulta que ele seja feito em larga escala.

Neste ano, o Programa Myra recebeu 295 inscrições de voluntários interessados em reservar uma hora de sua semana para ler com uma criança do 4.º ao 6.º ano do ensino fundamental. Os voluntários participarão agora de reuniões para se aprofundarem sobre a metodologia e, depois, de uma formação, para atuar com o aluno.

Em 2018, o Myra foi premiado no Prêmio Retratos da Leitura, promovido pelo Instituto Pró-Livro.

As inscrições para ser voluntário no Myra abrem sempre no começo do ano.

Cursos: Para quem ama livros e literatura

Crédito: Lugar de Ler/Divulgação

Imagine uma casa numa rua tranquila da Vila Madalena. Nessa casa, uma garagem. E nessa garagem, estantes e livros para se perder horas a fio. Em meio a esses milhares de títulos estão Dani Gutfreund e Janette Tavano, editoras, estudiosas de literatura e sócias do Lugar de Ler, projeto que acolhe quem ama livros e oferece uma série de cursos, palestras e oficinas com gente incrível. Escolhi alguns cursos da programação, espie só:

A Forma do Livro, com Tereza Bettinardi
De 20 de março a 24 de abril, às quartas-feiras, das 19h às 21h30
Preço: R$ 420 (em 2 vezes)

Descrição do curso: Tem o objetivo de promover a discussão sobre livros para crianças da perspectiva do design gráfico. Persiste a ideia de que os livros para crianças seriam mais “livres”. Por liberdade, entende-se a do designer, que se sentiria autorizado a propor o maior número de ideias não-ortodoxas possível. Não raro, a imaginação de pequenos leitores é usada como salvo-conduto para que designers liberem as suas fantasias gráficas latentes. Mas o quanto essa ideia de “livros para crianças” é capaz de dizer menos sobre os leitores de fato e mais sobre uma idealização do que nós, adultos, fazemos da infância? Quando projetamos um livro para crianças será que levamos em conta que se trata de um objeto que é mais coletivo do que individual? Por meio de exemplos e leituras, serão discutidos e detalhados os elementos do projeto gráfico de uma publicação para o público infantil.

Suzy Lee e o Livro Infantil, com Luís Girão
De 21 de março a 25 de abril, às quintas-feiras, das 19 às 21 horas
Valor: R$ 336 (em 2x)

Descrição do curso: Propõe acompanhar criticamente o percurso da artista sul-coreana Suzy Lee, ao longo de quase 20 anos de produção na área da literatura infantil. Autora dos livros Onda, Espelho, Sombra, Zoo e do novo Lines, ela também publicou o teórico A Trilogia da Margem, que hoje é uma importante referência para quem estuda o livro-imagem.

Crédito: Mari Demuth

Livro-álbum: Leitura e Análise, com Dani Gutfreund
De 25 de março a  24 de junho, às segundas-feiras, das 19h às 21h30
Valor: R$ 980 (em até 4x)

Descrição do curso: Durante as 14 aulas, estruturadas cronologicamente, discutiremos o conceito de livro-álbum como uma linguagem híbrida, essencialmente contemporânea, que rompe as barreiras da literatura, da arte e do design. A partir da leitura, apreciação e análise conjunta de livros-álbum, exploraremos os aspectos formais que compõem essa linguagem que exige do leitor a aprendizagem de uma nova gramática e amplia a sua compreensão sobre modos de ler, uma vez que outros sentidos, além da visão, são invocados. Entre os autores estudados estão Randolph Caldecott, Edy Legrand, Maurice Sendak, Browne, McKee, Bruno Munari, Ann e Paul Rand, Enzo e Iela Mari, Leo Lionni, Jon Klassen, Albertine, Ziraldo, Odilon Moraes, Renato Moriconi, entre tantos outros

Grupo de Leitura do Maurice Sendak, com a equipe do Lugar de Ler
Dias 15 de março, 12 de abril, 17 de maio e 21 de junho, sextas-feiras, das 19 às 21 horas
Valor: R$ 50 por encontro

Descrição do grupo: O grupo de leitura de Maurice Sendak vai discutir as principais obras desse importante autor e ilustrador de livros infantis, começando pela trilogia – Onde Vivem os Monstros, Na Cozinha Noturna e Outside Over There (inédito no Brasil). Depois, leremos O Aviso na Porta de Rosie e títulos que ainda não foram traduzidos para o português.

Publicações Independentes para Crianças, com Carolina Moreyra, Daniela Galanti e Peter O Sagae
Dia 13 de abril, sábado, das 15 às 17 horas
Valor: R$ 60

Descrição: Os autores Carolina Moreyra, Daniela Galanti e Peter O Sagae participam de uma conversa sobre as publicações independentes para as crianças e sua importância no mercado editorial brasileiro. A partir de suas próprias experiências, esses profissionais falarão sobre o que é um projeto independente, como é sua criação  e produção, como é feita a divulgação e venda, entre várias outras questões.

As inscrições estão abertas (clique no link do nome do curso), exceto para o Publicações Independentes para Crianças, que abrirá, em breve, no site do Lugar de Ler.

ESTANTE DE LETRINHAS
No Instagram @blogestantedeletrinhas
No Facebook @blogestantedeletrinhas
Para receber notícias por e-mail, escreva para estante.letrinhas@gmail.com

Tendências: