Livraria Faz de Conta e biblioteca abrem as portas no Bixiga
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Livraria Faz de Conta e biblioteca abrem as portas no Bixiga

Quem está à frente da empreitada é Zeco Montes, editor da premiada ÔZé e livreiro com longa história em São Paulo

Bia Reis

25 de abril de 2022 | 18h36

Logo da Livraria Faz de Conta, de autoria de Vera Rodrigues, a mesma utilizada nos anos 70. Crédito: Bia Reis

A esquina das Ruas 13 de Maio e Conselheiro Carrão, no coração do Bixiga, vai ganhar no fim do mês uma livraria e uma biblioteca. Quem está por trás da empreitada é Zeco Montes, editor da pequena, independente e premiada ÔZé Editora e livreiro com longa história em São Paulo: esteve à frente, desde os anos 70, das livrarias Klaxon, Faz de Conta e Ubaldo.

Cantinho da Livraria Faz de Conta, que terá obras de editoras pequenas e independentes. Crédito: Bia Reis

A Faz de Conta funcionou pela primeira vez de 1979 a 1981 na Rua Ministro Rocha de Azevedo, nos Jardins. Depois, nos anos 2000, virou livraria sob rodas dentro de um pequeno caminhão. Agora, em uma espécie de terceira versão, ocupará a sala central do primeiro andar da casa 515 da Rua 13 de Maio, onde no andar de cima funciona, há sete anos, a Editora ÔZé.

Placa da Biblioteca Sigismundo Bruno, em homenagem ao proprietário do Café do Bruno, recém-falecido. Crédito: Bia Reis

Ao lado da nova Faz de Conta funcionará a Biblioteca Segismundo Bruno, nome dado em homenagem ao dono do Café do Bruno, que funcionava a uma quadra de distância dali até a morte do proprietário, considerado um resistente dentro do próprio bairro.

Prateleiras da Biblioteca Segismundo Bruno, na sala ao lado da livraria: em fase de arrumação. Crédito: Bia Reis

A ideia de Zeco é ser pequeno e local, para atender a população do entorno com seus dois espaços. “O Bixiga é um bairro pobre, com muitos imigrantes, onde as crianças não têm quintal nem o que fazer. Vou abrir a biblioteca pequena, com cerca de 700 livros, todos muito bem escolhidos, e espero chegar a 2 mil em julho”, conta. “Livraria não é só um lugar de comprar livros: é serviço, é encontro, é conversa.”

A Faz de Conta abrirá as portas no dia 30 de abril, sem festa, com cerca de 400 títulos de 15 editoras pequenas e independentes, todos de altíssima qualidade literária – a ideia é chegar a 600. Estão nas prateleiras obras das editoras ÔZé, Jujuba, Pulo do Gato, Cai-Cai e Trioleca, de São Paulo; Pó de Estrelas, do Recife; Francesinha, de Minas Gerais; Piu, do Rio Grande do Sul; Gato Leitor, de Santa Catarina; Olho de Vidro, do Paraná; e Solisluna, da Bahia, entre outras.

Na livraria haverá exposições rotativas de ilustradores brasileiros. Na primeira, serão apresentados os originais do livro Alcateia, que marcou os dez anos da Editora Ôzé, e que reúne artistas que já fizeram obras com Zeco.

*

Aproveito para deixar alguns links para vocês:

Sagatrisuinorana – Reconto à Moda Roseana, livro de João Guimarães e Nelson Cruz, da Editora Ôzé, que ganhou o Prêmio Jabuti de Livro Infantil e Livro do Ano, em 2022.

Pompeia, bairro na zona oeste de São Paulo, ganha Livraria Miúda – e isso é só o início

Conheça a Livraria Pé de Livro, na Pompeia, e 5 livros incríveis

Tudo o que sabemos sobre:

LivrariaBiblioteca

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.