Lina Bo Bardi e seu Sesc Pompeia para crianças
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Lina Bo Bardi e seu Sesc Pompeia para crianças

Livro informativo mostra como uma fábrica abandonada se transformou em um importante ponto de encontro; coleção Arranha-Céu se propõe a contar histórias de obras da arquitetura brasileira

Bia Reis

02 de fevereiro de 2016 | 06h01

a-cidadela-capa

Todo mundo tem seus lugares preferidos na cidade onde mora. Pode ser pertinho de casa, desses que a gente chega dando apenas alguns passinhos, mas pode também ficar longe e ser bem mais difícil de chegar. Em São Paulo, tenho a sorte de morar colado com um desses locais do coração: o Sesc Pompeia, na Vila Pompeia, zona oeste.

Construído em uma antiga fábrica de tambores, o Sesc Pompeia guarda marcas de seu passado industrial: nos grandes galpões que foram transformados em área de convivência, nos tijolinhos que ajudam os visitantes a identificar a construção à distância.

Estante de Letrinhas no Facebook: Curta!
E também no Twitter: Siga!

Para contar um pouco sobre a primeira unidade do Sesc e a arquiteta italiana que o projetou, a Editora C4 lançou no fim do ano passado o livro A Cidadela – O Sesc Pompeia de Lina Bo Bardi, de Baba Vacaro, Daniel Almeida e Rogério Trentini. Com patrocínio da Docol, o livro, informativo, inaugura a Coleção Arranha-Céu, que se propõe a contar as histórias de algumas das principais obras da arquitetura brasileira. O material também pode ser encontrado em audiolivro e aplicativo.

a-cidadela-predio

Com um texto simples, o livro passa brevemente pela fundação de São Paulo pelos jesuítas, a construção de bairros industriais na cidade e a desativação da fábrica de tambores, nos anos 70, que deu origem ao Sesc. Fala também sobre a chegada de Lina ao Brasil e seu encanto pelo prédio que viria a se tornar ponto de encontro dos paulistanos.

Quando ficou tudo pronto, foi um choque. Houve gente que gostou. Houve quem achou estranho, bruto, meio feio. E também quem não entendeu que Lina fez poesia com sua arquitetura para melhorar a vida das pessoas. Porque, para ela, cultura era convivência e liberdade.”

Nascida em Roma, na Itália, em 1914, Lina embarcou para o Brasil em 1946 com o marido, o jornalista Pietro Maria Bardi. Aqui, mergulhou na cultura brasileira e projetou algumas de suas mais importantes obras, como o Museu de Arte de São Paulo (Masp), o Teatro Oficina e a Casa de Vidro.

 

 

 

Serviço
A Cidadela – O Sesc Pompeia de Lina Bo Bardi
Idealização: Baba Vacaro e Daniel Almeida
Texto: Rogério Trentini
Ilustrações: Daniel Almeida
Editora: C4
Preço: R$ 20

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.