Kandinsky e os contos de fadas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Kandinsky e os contos de fadas

Exposição em cartaz no CCBB em São Paulo revela quatro pinturas sobre vidro em que o artista russo imita o estilo de imagens de contos de fadas feitas no início do século 20

Bia Reis

23 Julho 2015 | 18h44

Nuvem Dourada (Golden Cloud), 1918

Nuvem Dourada (Golden Cloud), 1918

A paixão dos russos pelos contos de fadas é antiquíssima e envolveu, ao longo dos séculos, pessoas das mais diferentes classes sociais e faixas etárias. Famosas em todo o país, essas histórias influenciaram outros tipos de arte, como a pintura e a dança russas, e chegaram ao Ocidente, mas nunca com a força das eternizadas por autores como Hans Christian Andersen, Charles Perrault e Jacob e Wilhelm Grimm. Uma mostra do impacto dos contos de fadas russos está na exposição Kandinsky – Tudo Começa Num Ponto, que já passou pelo Rio de Janeiro e está em cartaz atualmente em São Paulo, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), na região central.

Na exposição há uma série de quatro pinturas sobre vidro em que Kandinsky, com uma certa ironia, imita o estilo de imagens de contos de fadas feitas por artistas como Ivan Bilibin e Konstantin Somóv, populares na Rússia no começo do século 20. Nesses trabalhos, que hoje são do Museu Estatal Russo, Kandinsky, que se tornou célebre pela arte abstrata, volta à arte figurativa, às tradições e aos contos de fadas.

Estante de Letrinhas no Facebook: Curta!
E também no Twitter: Siga!

O russo se encantou pelas possibilidades da pintura sobre vidro no fim da década de 10, quando esteve em Murnau. A técnica recupera a tradição da pintura popular alemã e do sul da Rússia.

Os personagens e a narrativa são ingênuos e parece não haver uma preocupação com proporções reais e perspectiva. As referências, os traços e a cores, por sua vez, são surpreendentes.

Na tentativa de evitar a formação das longas filas, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) implementou um esquema de agendamento de horários para a exposição, pela internet. O melhor jeito é baixar o App do CCBB no celular e agendar por ali. O sistema realmente funciona, vale a pena.

Serviço
Kandinsky – Tudo Começa Num Ponto
Local: Centro Cultural Banco do Brasil – Rua Álvares Penteado, 112
Telefones: 3113-3651/3652
Horário: Das quarta às segundas-feiras, das 9 às 21 horas
Até 28 de setembro

Mais conteúdo sobre:

Kandinsky