Imaginação e liberdade plenas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Imaginação e liberdade plenas

Bia Reis

05 de agosto de 2012 | 06h00

Hoje tem entrevista com o escritor Ilan Brenman no Caderno 2. Com mais de 50 livros publicados e leitores espalhados pela Europa e Ásia, ele defende a leitura como “alimento para a vida”. Brenman também fala sobre literatura de qualidade e livro digital.

Abaixo da página estão alguns dos lançamentos do incansável escritor, que podem ser encontrados na 22.ª Bienal Internacional do Livro, que começa dia 9, no Anhembi.

Aqui, três dos livros de Ilan Brenman:

Segredo compartilhado

A Mulher que Não Sabia Guardar Segredos se passa no ano 58 d.c., em Roma, quando a cidade era dominada pelo imperador Nero. Para compor a história de Cornélia, uma mulher incapaz de ficar com a boca fechada depois de escutar algo, Brenman fala também sobre o povo romano, a forma de se fazer política na época e os símbolos de poder. O livro, de capa dura e papel grosso, mostra o que pode acontecer quando segredos que deveriam ficar guardados são compartilhados.

Brenman conheceu a história em um livro chamado Sobre a Tagarelice, com ensaios sobre os malefícios de falar demais e ouvir de menos, como ele próprio diz. E resolveu recontá-la do seu jeito. O ilustrador Renato Moriconi utiliza elementos cotidianos e, com isso, mostra que a tagarelice do passado está bastante presente no nosso dia a dia.

A Mulher que Não Sabia Guardar Segredos
Ilustrador: Renato Moriconi
Editora: Abacatte
Preço: R$ 38

 

Explicações de criança

Pai, Não Fui Eu! nasceu de uma história real vivida por Ilan Brenman com uma de suas filhas. Ele estava em seu escritório quando ouviu a garota subir em uma estante e derrubar um livro enorme. Quando perguntou o que tinha acontecido, ouviu: “Pai, não fui eu, foi o leopardo”.

No livro, a menina conta para o pai o que o leopardo fazia perto da estante, diz que ele adora livros e, mais curioso, que é seu fã. A história é contada por meio dos diálogos entre o pai e a filha; o pai instiga a filha a falar sua versão dos fatos, e ela, sempre com doçura, dá suas explicações. As ilustrações da italiana AnnaLaura Cantone são de uma beleza à parte e valem um olhar atento para os detalhes e as sutilezas. Adorei as estampas que ela coloca na capa dos diversos livros que aparecem ao longo da história.

Pai, Não Fui Eu!
Editora: Companhia das Letrinhas
ilustradora: AnnaLaura Cantone
R$ 35

 

Vida do avesso

Já pensou se a gente falasse boa noite ao acordar, comesse macarrão à bolonhesa com suco de acerola no café da manhã e colocasse um cachecol nos dias de calor? Para Anaul, a vida é assim: do avesso. A menina imaginada pela ilustradora Bruna Assis Brasil é tão incrível quanto a história de Ilan Brenman. Repare nos personagens que a desenhista acrescenta e nos rosas, marrons e azuis que ela usa. E como se isso já não fosse o bastante, o fim do livro guarda ainda uma surpresa.

A Menina do Avesso
Ilustradora: Bruna Assis Brasil
Editora: Melhoramentos
Preço: R$ 35