História simples abre portas para conversas profundas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

História simples abre portas para conversas profundas

No livro-imagem 'A Bola do Vizinho', Raquel Matsushita transforma fotografia e carimbos em afeto e poesia

Bia Reis

07 de dezembro de 2015 | 09h05

a-bola-do-vizinho1-600

Raquel Matsushita é múltipla.

Em Eu (Não) Gosto de Você!, da Editora Jujuba, Raquel escreveu, ilustrou e fez o projeto gráfico. Em Alfabeto Escalofabético, também da Jujuba, foi parceira de Claudio Fragata: ele escreveu, ela ilustrou e, novamente, cuidou do projeto gráfico. O livro conquistou o primeiro lugar do 56.º Prêmio Jabuti na categoria Paradidáticos. Em Não, Sim, Talvez, publicado pela Sesi-SP Editora, Raquel inverteu – cuidou das palavras e Ionit Ziberman, dos desenhos.

No período em que esteve em Barcelona, as noites que passou sem dormir lhe renderam um livro-imagem, tipo de obra cuja narrativa é feita apenas com desenhos, ou seja, sem palavras. Nasceu, então, A Bola do Vizinho, recém-lançado pela editora Positivo, em que a autora assina o projeto gráfico com Daniel Cabral.

a-bola-do-vizinho2 - Cópia-600

Neste livro, Raquel conta uma história simples, mas que apresenta ao leitor profundas reflexões. Enquanto brinca de boneca, uma menina vê, do outro lado da cerca, um garoto com uma bola. Ela levanta e vai pegar outra bola, maior que a do menino. Ele sai e volta com outra ainda maior. E assim a história se desenrola.

Nesta competição entre as duas crianças, Raquel questiona o que é essencial na vida ­- ter ou ser? Ter a bola maior que o outro ou serem amigos?

Para criar as imagens, Raquel chamou Selma Perez, que fotografou as crianças Lia e Guilherme. Foram várias sessões de fotos até o resultado desejado. Depois, Raquel transformou as fotografias em preto e branco e desenvolveu as roupas desses personagens, transformando em carimbos objetos do cotidiano, como casca de banana, abobrinha, tomate, tampa de remédio e folhas secas. As bolas, que a cada página ficam maiores, também foram coloridas com carimbos de números, em ordem crescente de 1 a 9.

a-bola-do-vizinho3-600

Na disputa por quem tem a maior bola, os personagens ocupam lados opostos: a menina está sempre à esquerda e o menino, à direita. Conforme a narrativa avança, a cerca fica impressa onde está a costura do livro, como se entrasse lombada adentro. Também é interessante observar o contraste que o fundo branco faz com o colorido das bolas.

Chamam a atenção ainda as orelhas da obra, que se abrem e transformam a própria estrutura do livro em uma espécie de cerca, tal qual a que aparece nas páginas internas.

O resultado disso tudo é um livro cheio de afeto e poesia, divertido e que abre as portas para conversas profundas com as crianças.

Estante de Letrinhas no Facebook: Curta!
E também no Twitter: Siga!

Serviço
A Bola do Vizinho
Autora: Raquel Matsushita
Editora: Positivo
Preço: R$ 35,50

Tudo o que sabemos sobre:

Editora PositivoRaquel Matsushita

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.