Festival e seminário levam literatura infantil brasileira para a China
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Festival e seminário levam literatura infantil brasileira para a China

Centro de Leitura Quindim promove dois eventos na maior feira de livros da Ásia para crianças: o Festival Internacional de Literatura Infantil Brasileira e o 1.º Seminário Internacional de Literatura Brasileira para Crianças e Jovens

Bia Reis

10 Novembro 2016 | 15h50

mariana-massarani-imagens-e-palavras-sem-fronteiras

Ilustração de Mariana Massarani para o 1.º Seminário Internacional de Literatura Brasileira para Crianças e Jovens – Imagens e Palavras Sem Fronteiras. Crédito: Reprodução

 

Na China, 242 milhões de pessoas têm menos de 16 anos e 81,1% delas leem livros. Estima-se que as crianças chinesas leiam, em média, 8,45 obras por ano, número que cresce de forma constante desde 2013. Nas famílias com filhos menores de 8 anos, 89% dos pais afirmam ler diariamente com eles. Visitas a livrarias são comuns: 72% dos pais vão com suas crianças a esses espaços com regularidade.

Os dados, da Feira Internacional do Livro para Crianças de Xangai, revelam o papel que os livros têm no país – e também a dimensão do mercado, que está cada vez mais aberto para a literatura estrangeira de ficção. Atualmente, poucos brasileiros têm entrada no mercado oriental. São editados na China, por exemplo, os autores que ganharam o Prêmio Hans Christian Andersen, espécie de Nobel da literatura infantil – Ana Maria Machado (texto), Lygia Bojunga (texto) e Roger Mello (ilustração). Roger também está na Coreia e no Japão.

Para aproximar a literatura infantojuvenil brasileira e nossos escritores e ilustradores dos orientais, o Centro de Leitura Quindim promoverá, de 17 a 20 de novembro, dois eventos durante a Feira Internacional do Livro de Xangai: o Festival Internacional de Literatura Infantil Brasileira e o 1.º Seminário Internacional de Literatura Brasileira para Crianças e Jovens – Imagens e Palavras Sem Fronteiras. As atividades contam com o apoio do Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

feira-xangai

Feira Internacional do Livro para Crianças de Xangai. Crédito: Divulgação

 

A delegação brasileira é formada por importantes nomes da literatura brasileira – Marina Colasanti, Roger Mello, Mariana Massarani, Graça Lima e Marcelo Pimentel – e Volnei Canônica, diretor do Centro de Leiura Quindim, sediado em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul. “O evento contribui para a internacionalização da nossa literatura. Para o Brasil, é importante estar em uma feira tão estratégica e apresentar nossa ficção, nosso jeito de escrever e de ilustrar. Não é só por uma questão de mercado, mas também por levar nossa cultura e estreitar o entendimento entre os países”, afirma Volnei, que esteve nos últimos três anos na feira de Xanguai.

Estante de Letrinhas no Facebook: Curta!
Também no Twitter: Siga!
E agora no Instagram: Acompanhe!

Entre as atividades propostas estão a visita a uma escola de educação infantil, que atende crianças de 3 a 5 anos, com a realização de oficinas com os autores brasileiros; e os painéis Literatura Brasileira Para Crianças: Caminhos e Escolhas e Como Abordar Temas Difíceis na Literatura Para Crianças, este segundo mediado por Mingzhou Zhang, vice-presidente do International Board on Books for Young People (IBBY) da China. Haverá também um jogo de ilustração comandado por Roger Mello com a participação dos ilustradores Will Grill (Reino Unido), Piet Groblet (África do Sul), Ali Boozari (Irã), Wan Wan e Xiong Liang (China), além de Marcelo Pimentel, Graça Lima e Mariana Massarani.

Volnei afirma que, diferentemente do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa – onde há muitas vezes resistência em publicar livros que retratem ou abordem questões locais –,  para os chineses não existe essa barreira. “Eles não estão preocupados se a história se passa no sertão ou no mangue. Querem questões humanas, que podem ser vivenciadas por crianças brasileiras, chinesas ou de qualquer outro lugar do mundo.”

volnei-canonica-Janine-Moraes

Volnei Canônica, diretor do Centro de Leitura Quindim. Crédito: Janine Moraes

 

Quindim. O Centro de Leitura Quindim foi criado em 2014 por Volnei Canônica, ex-assessor da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), ex-coordenador do programa Prazer em Ler do Instituto C&A de Desenvolvimento Social e ex-diretor do departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Ministério da Cultura. O centro é um espaço onde leitores de todas as idades têm acesso a literatura infantil e livros teóricos da área e também tem a missão de auxiliar o desenvolvendo de políticas públicas e ações de promoção de leitura no Brasil e no exterior. O nome faz duas homenagens: ao escritor Monteiro Lobato, que batizou um rinoceronte de Quindim, e ao poeta Mario Quintana, que amava o doce.