‘Enreduana’ é eleito melhor livro estrangeiro em premiação de literatura infantil na China
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Enreduana’ é eleito melhor livro estrangeiro em premiação de literatura infantil na China

Obra, de Roger Mello e Mariana Massarani, tem trajetória premiadíssima - já venceu os prêmios da FNLIJ, da Biblioteca Nacional e está na final do Jabuti

Bia Reis

26 de novembro de 2019 | 08h00

Enreduana, de Roger Mello e Mariana Massarani. Crédito: Bia Reis/Estadão

Depois de ganhar os prêmios da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) e da Biblioteca Nacional, Enreduana, de Roger Mello e Mariana Massarani (Companhia das Letrinhas), conquistou na semana passada na categoria “melhor obra estrangeira” o Prêmio Internacional de Literatura Infantil Chen Bochui (Cicla), um dos mais importantes da China. A premiação se caracteriza por promover a diversidade cultural e incentivar a produção de conteúdos inspiradores.

No livro, os autores contam a história de Enreduana, considerada a primeira mulher escritora e filósofa, nascida em 2.300 a.C., em Acádia, na Mesopotâmia. Como já é característico na obra de Roger, Enreduana traz um narrador pra lá de inusitado: o menor grão de areia do mundo. Nas ilustrações, Mariana também lança mão de seu traço altamente reconhecível e mescla a estética de um período passado, abusando de uma paleta de cores vibrantes. A obra concorre, nesta semana, ao Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, na categoria infantil.

O Prêmio Internacional de Literatura Infantil Chen Bochui é um dos mais antigos da China. Criada em 1981 pelo escritor de literatura infantil de Xangai Chen Bochui (1906-1997), a premiação homenageia autores, ilustradores e profissionais da área. O prêmio foi reformulado em 2014 e transformado em um concurso internacional, com júri de especialistas em literatura infantil.

Há três categorias: contos em chinês, romances infantis em chinês e livros ilustrados estrangeiros. Todos os anos também são concedidos os prêmios de Autor do Ano e Contribuição Especial.

Na disputa pelo Alma

Um dos mais importantes autores brasileiros contemporâneos, Roger Mello foi indicado em meados de outubro para concorrer ao Astrid Lindgren Memorial Award (Alma), prestigioso prêmio da literatura infantil mundial. Em 2020, 237 candidatos de 67 países concorrerão ao prêmio.

Entre os concorrentes, 49 são novatos e Roger, um veterano – é a quinta vez que seu nome entra na lista. O brasileiro disputa o prêmio de 5 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 2,1 milhões) com Maria Teresa Andruetto (Argentina), Lisbeth Zwerger (Áustria), Kveta Pacovská (República Tcheca), Quentin Blake (Reino Unido), Eric Carle (EUA) e a Biblioteca Internacional de Munique (Alemanha). O resultado será divulgado em 31 de março, na Feira de Bolonha.

Roger Mello é o único brasileiro vencedor do Prêmio Hans Christian Andersen, considerado o Nobel da literatura infantil, na categoria ilustração. Ana Maria Machado e Lygia Bojunga venceram a premiação na categoria escritor. Em 2014, quando o Roger venceu, fiz uma entrevista com ele – “Vencemos o eurocentrismo”, o autor contou (clique aqui para ler).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: