‘Enreduana’, de Roger Mello e Mariana Massarani, vence prêmio de literatura infantil da Biblioteca Nacional
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Enreduana’, de Roger Mello e Mariana Massarani, vence prêmio de literatura infantil da Biblioteca Nacional

'Donana e Titonho', de Ninfa Parreiras e André Neves, e 'Se Eu Abrir Esta Porta Agora', de Alexandre Rampazo, conquistaram, respectivamente, o segundo e o terceiro lugar; confira também os premiados na categoria Juvenil

Bia Reis

10 de outubro de 2019 | 20h55

Os três vencedores na categoria literatura infantil. Crédito: Bia Reis/Estadão

O livro Enreduana, de Roger Mello e Mariana Massarani (Editora Companhia das Letrinhas), foi o vencedor do prêmio da Biblioteca Nacional (BN) na categoria literatura infantil. Donana e Titonho, de Ninfa Parreiras e André Neves (Editora Paulinas), e Se Eu Abrir Esta Porta Agora (Sesi-SP), de Alexandre Rampazo, conquistaram, respectivamente, o segundo e o terceiro lugar. O anúncio foi feito na noite desta quinta-feira, 10, no site da BN.

Na categoria literatura infantil foram avaliados 108 livros. Os critérios observados pelo júri, este ano composto por Renata Nakano, idealizadora do Clube de Leitura Quindim, pela editora Camila Werner, e por mim :o), foram qualidade literária, criatividade e contribuição à cultura brasileira.

Na categoria literatura juvenil, o livro Minha Vida Não É Cor-de-Rosa, de Penélope Martins (Editora do Brasil), ficou em primeiro lugar. Clarice, de Roger Mello e Felipe Cavalcante (Editora Global), ficou em segundo – e também levou o prêmio de melhor Projeto Gráfico – e Layla, a Menina Síria, de Cassiana Pizaia, Rima Awada Zahra e Rosi Vilas Boas (Editora do Brasil), em terceiro.

**

A PRIMEIRA MULHER ESCRITORA E FILÓSOFA

‘Enreduana’ conta a história sobre a perspectiva do menor grão de areia do mundo. Crédito: Bia Reis/Estadão

Enreduana foi escolhida como a melhor obra de 2018 na categoria literatura infantil pelo “modo de narrar e a linguagem tão característicos da literatura de Roger Mello, que conferem à obra grande originalidade em relação à produção brasileira contemporânea do gênero”. “O texto guarda semelhanças com o teatro, imprimindo de maneira ímpar uma oralidade que difere da tradicional na literatura infantil, e que permite grande fluência por meio da leitura em voz alta, ou leitura compartilhada, tão comum nesse gênero, porém desconsiderada nas análises críticas que se apropriam apenas do repertório da literatura dita ‘adulta'”, afirma o júri em seu parecer.

O júri também considerou a relevância do tema e sua importância para a cultura brasileira. No livro, Roger e Mariana contam a história de Enreduana, considerada a primeira mulher escritora e filósofa, nascida em 2.300 a.C., em Acádia, na Mesopotâmia. “A obra consegue abordar um tema relevante e importante para a cultura brasileira – e muito pertinente no contexto atual – sem levantar bandeiras, mas por meio do protagonismo que confere a uma personagem simbólica: a primeira mulher escritora e filósofa”, diz o parecer.

Outro ponto destacado é a “inusitada escolha do narrador – outra característica recorrente na obra do autor”. Quem conta a história de Enreduana é o menor grão de areia do mundo, que, apesar de se apresentar sob a perspectiva de quem não pode ser notado, deixa marcada as “impressões próprias de seu lugar de fala”.

Por fim, o júri ressaltou as ilustrações de Mariana, que “parte de seu traço tão característico para se apropriar em uma simbiose de uma estética de um período passado que seria muito distinta do resultado contemporâneo que conquista com a paleta de cores vibrantes, mas que se torna altamente reconhecível”. “Desse modo, além de muito rica, a linguagem visual dialoga ativamente na construção de uma ambientação entre o antigo e o contemporâneo.”

ESTANTE DE LETRINHAS
No Instagram @blogestantedeletrinhas
No Facebook @blogestantedeletrinhas
Contato: estante.letrinhas@gmail.com

O PROTAGONISMO DE UM CASAL DE CATADORES DE LIXO

Figuras de linguagem e imagens poéticas são destaque em ‘Donana e Titonho’. Crédito: Bia Reis/Estadão

Donana e Titonho foi destacado por seu “vocabulário específico, figuras de linguagem e uma potente criação de imagens poéticas”. Para o júri, Ninfa “resgata um modo de contar que encontra tradição na literatura infantil mineira e inova ao fazer de um casal de catadores de lixo protagonista de sua narrativa”.

“A infância e o brincar da criança brasileira também estão presentes, especialmente por meio das ilustrações. Há o cotidiano, os brinquedos, a alegria e também a tristeza”, aponta o júri.

A ilustrações de André também são ressaltadas. “André usa seu estilo e traços característicos e orquestra com maestria desenho, colagens e fotos para criar ilustrações que, ambientadas em uma tonalidade acinzentada, encontram as cores do que foi descarte de outrem, reforçando, por meio da paleta, o tom poético e melancólico da obra”, afirma o parecer dos jurados.

ESTANTE DE LETRINHAS
No Instagram @blogestantedeletrinhas
No Facebook @blogestantedeletrinhas
Contato: estante.letrinhas@gmail.com

A POTÊNCIA DO OBJETO LIVRO

Virar das páginas dita o ritmo da leitura em ‘Se Eu Abrir Esta Porta Agora…’. Crédito: Bia Reis/Estadão

Se Eu Abrir Esta Porta Agora… se destacou na produção brasileira do ano passado pelo fato de Rampazo demonstrar “extrema competência e consciência a respeito das potencialidades do objeto livro para criar ritmos e efeitos poéticos da narrativa”. “Dá visibilidade, assim a um terceiro elemento, não o texto nem a imagem, mas a tecnologia do códice em sua potência na literatura infantil – característica muito presente na literatura infantil contemporânea, influenciado por meio do objeto na performance da leitura”, afirma o parecer.

“Dita o ritmo da leitura pelo virar das páginas, coloca o leitor diante de diferentes perspectivas de leitura – a do menino e a do monstro -, dependendo da face do objeto pela qual escolhe iniciar a narrativa. Consegue, assim, desmistificar o medo, um tema recorrente – bem como os personagens monstros -, ao romper com perspectivas e colocar o leitor no lugar do outro, questionando a própria posição.”

Serviço dos livros vencedores

Enreduana
Autores: Roger Mello e Mariana Massarani
Editora: Companhias das Letrinhas
Preço: R$ 49,90 (preço médio), com capa dura

Donana e Titonho
Autores: Ninfa Parreiras e André Neves
Editora: Paulinas
Preço: R$ 32,50

Se Eu Abrir Esta Porta Agora…
Autor: Alexandre Rampazo
Editora: Sesi-SP
Preço: R$ 44 (preço médio), livro sanfonado

ESTANTE DE LETRINHAS
No Instagram @blogestantedeletrinhas
No Facebook @blogestantedeletrinhas
Contato: estante.letrinhas@gmail.com

** Texto alterado às 7h22 de 14 de outubro para corrigir o nome da escritora Penélope Martins, grafado incorretamente.

Tendências: