Contos de fadas viram arte nas mãos de Katia Canton
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Contos de fadas viram arte nas mãos de Katia Canton

A artista plástica, escritora e educadora abre no dia 4 a exposição 'Ontem', na Galeria Paralelo, em São Paulo

Bia Reis

26 Janeiro 2015 | 12h21

 

'Chapeuzinho na Floresta', de Katia Canton

‘Chapeuzinho na Floresta’, de Katia Canton

 

Quando criança, a artista plástica, escritora e educadora Katia Canton era tímida e tinha dificuldades de sair à rua para brincar. Todos os dias, ia à casa de sua tia avó, Cecília, uma exímia contadora de histórias que lhe abriu o mundo dos contos de fadas, ensinou histórias de príncipes e princesas e fez com que a menina questionasse o estereótipo dos personagens.

Katia se apaixonou pelos contos de fadas e, já crescida, transformou a paixão em literatura e arte. Estudou dança, arquitetura e comunicação, fez mestrado, doutorado e, no fim do ano passado, pós-doutorado na Universidade de Nova York, onde há 20 anos publicou seu primeiro livro, The Fairy Tale Revisited. Hoje seus títulos somam mais de 50.

Estante de Letrinhas no Facebook: Curta!
E também no Twitter: Siga!

Para marcar a produção de 20 anos de carreira, Katia abre no dia 4 de fevereiro, na Galeria Paralelo, a exposição Ontem, sua primeira individual no Brasil. Nela, apresenta sua visão e seus sonhos relacionados aos contos de fadas, resgatados das histórias que ouvia quando menina e das pesquisas que produziu ao longo da carreira. Em seu leitura singular, a artista questiona o papel das protagonistas e apresenta as contradições dos finais felizes que ficaram eternizados na cabeça de crianças e adultos.

“Pesquisei o ontem dessas histórias, que nasceram orais, aparecem em manuscritos medievais e foram recontadas por Perrault (Charles Perrault, 1628-1703), Grimm (os irmãos Jacob Grimm, 1785-1863, e Wilhelm, 1786-1859), Andersen (Hans Christian Andersen, 1805-1975) e, mais tarde, pela Disney, em uma sociedade americana paternalista”, conta Katia, professora da Universidade de São Paulo (USP) e atual vice-diretora do Museu de Arte Contemporânea (MAC), que já esteve outras vezes nesta Estante de Letrinhas, com Beijo de Artista, Fabriqueta de Ideias e Minimaginário de Andersen.

Nos séculos 20 e 21, as histórias se popularizaram. Ganharam as telas do cinema, foram para os palcos em forma de dança e de peças de teatro e se desdobraram em seriados. “As histórias são feitas para serem refeitas nos diferentes contextos culturais, mas ficaram exageradas nos desenhos da Disney. Minha pesquisa comparou as diferentes versões, que foram sendo suavizadas com o passar o tempo. No início, elas eram recheadas de realidade, dramaticidade e de uma luta brutal pela vida.”

Em Ontem, Katia traduz em desenhos, pinturas em tela, fotografias e em uma instalação sonora com poemas as histórias de Chapeuzinho Vermelho, Bela Adormecida, Branca de Neve, Cinderela, Pele de Asno, João e Maria, Patinho Feio, Polegarzinha, Pequena Sereia e O Príncipe e o Sapo.

Serviço
Ontem, de Katia Canton
Onde: Galeria Paralelo, na Rua Artur de Azevedo, 986, Pinheiros, em São Paulo
Abertura: Dia 4 de fevereiro, das 19h às 22h
Visitação: De 5 de fereveiro a 4 de abril, de segunda à sexta-feira, das 10h30 às 19h; e aos sábados, das 11h às 17h
Outras informações: (11) 2495-6876

Mais conteúdo sobre:

Katia Canton