Brasileiro Roger Mello vence Hans Christian Andersen na categoria ilustrador
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiro Roger Mello vence Hans Christian Andersen na categoria ilustrador

Pela primeira vez um ilustrador latino-americano conquistou o prêmio, anunciado na Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha. Nahoko Uehashi venceu na categoria escritor

Bia Reis

24 de março de 2014 | 17h47

O escritor e ilustrador brasileiro Roger Mello, de 48 anos, venceu o prêmio Hans Christian Andersen – considerado o Nobel da literatura infantil – na categoria ilustrador. Mello é o primeiro latino-americano a conquistar o prêmio nesta categoria. A japonesa Nahoko Uehashi ganhou a premiação na categoria escritor. O resultado foi anunciado na Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha 2014, na Itália, que começou nesta segunda-feira e segue até o dia 27.

“Ele não subestima a capacidade da criança de reconhecer e decodificar os fenômenos culturais pelas imagens, guiada pela imaginação”, afirma o júri da premiação no texto em que justifica a escolha de Mello. “Por intermédio de suas histórias coloridas, o jovem leitor ganha um entendimento mais profundo da própria cultura e daquelas ao redor do mundo.”

Ilustrador há mais de 25 anos, Mello coleciona uma série de premiações. Recebeu o Espace-enfants, da Suíça, em 2002, mesmo ano em que venceu o Jabuti nas categorias literatura infanto-juvenil e ilustração com Meninos do Mangue. Ganhou diversas vezes a premiação da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Em 2010 já havia sido indicado ao Hans Christina Andersen.

Mello já publicou Contradança (2011), Carvoeirinhos (2009), Jubair e os Labirintos (2007), João por um Fio (2006), Em Cima da Hora (2004), Vizinho, Vizinha (2002), Meninos do Mangue (2001), Todo Cuidado é Pouco! (1999), O Medo e o Mar (2009) e Memórias da Ilha (2003).

O Brasil já conquistou o Nobel da literatura infantil duas vezes, em 1982 com Lygia Bojunga e em 2000 com Ana Maria Machado.

Foto: Sergio Dutti/Estadão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.