Bocejo que contagia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bocejo que contagia

Bia Reis

29 de janeiro de 2013 | 19h21

Involuntariamente, a boca se abre. Grande. Enorme. Depois, o ar é aspirado, profundamente. E expirado. Pode ser sinal de sono, cansaço, tédio, aborrecimento. Mas também pode ser apenas um bocejo contagioso…

… que contagia uma mulher de cabelos longos, um homem das cavernas, uma estátua, um romano. Nem Charles Chaplin nem Albert Einstein estão imunes. Nem eu. E você?

Bocejo é o livro-imagem de Ilan Brenman e Renato Moriconi. Nele, os autores revelam o bocejo de vários personagens. Impossível não abrir a boca uma vez sequer – e não é de tédio! No fim, Brenman e Moriconi convidam o leitor a bocejar também, em uma folha de papel-espelho.

Quando chegar ao fim, abra o livro de novo e reveja todas as ilustrações. Figuras engraçadíssimas estão escondidas em cada página.

Bocejo segue a linha de Telefone Sem Fio, dos mesmos autores. Para conhecê-lo, clique aqui.

Serviço
Bocejo
Autores: Ilan Brenman e Renato Moriconi
Editora: Companhia das Letrinhas
Preço: R$ 39,50

++ Veja também
Imaginação e liberdade plenas, entrevista com Ilan Brenman