‘A Arte de Criar Leitores’, o olhar das filhas e o evento Esquenta Primavera
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘A Arte de Criar Leitores’, o olhar das filhas e o evento Esquenta Primavera

Na coluna desta semana, você conhecerá o livro de Goimar Dantas que traz reflexões e dicas sobre mediação de leitura, duas obras que mostram visões atuais das mães e a programação completa do evento que ocorre de sexta a domingo em São Paulo

Bia Reis

06 de junho de 2019 | 08h00

Livro 1: ‘A Arte de Criar Leitores’

Créditos: Bia Reis

Quem te apresentou os primeiros livros que te encantaram como leitor? Quais foram os primeiros personagens e os primeiros autores que te emocionaram? Como você se transformou em leitor?

Para mim, foram meus pais, sem dúvida. Tive a sorte de nascer e crescer em uma casa onde livros e discos recheavam as prateleiras, onde as histórias eram temas de conversas, e onde Ana Maria Machado, Lygia Bojunga e Ruth Rocha reinavam.

Para a jornalista, roteirista e escritora Goimar Dantas, quem fez brotar o amor pelos livros foi a professora Thaís Ribeiro, que contava histórias para seus alunos de segunda a sexta-feira pela manhã, invariavelmente. E depois o Sítio do Picapau Amarelo.

O relato pessoal e profissional de Goimar estão em A Arte de Criar Leitores – Reflexões e Dicas Para Uma Mediação Eficaz, lançado em fevereiro pela Editora Senac. Obra gostosa de ler, com muitas histórias, referências teóricas e, claro, dicas práticas para todos que desejam despertar em alguém o gosto pela leitura e o amor pelos livros.

Atualíssimo, o livro deixa claro que qualquer um pode ter o papel de despertar essa paixão: pais, professores, bibliotecários e, nos dias de hoje, booktubers.

Goimar navega por histórias bíblicas, fábulas e contos de fadas (e por suas releituras), passa por textos clássicos, como Mil e Uma Noites, e chega aos sucessos estrondosos, como a saga de Harry Potter, ao HQ e às adaptações para o cinema. Fala de gêneros literários e mostra como a poesia formal tem o poder de atrair e conquistar novos leitores, abordando eventos contemporâneos como os saraus e os slams. Traz também dicas preciosas sobre mediação de leitura para todos que querem encantar o outro com literatura. E vai do surgimento da literatura infantil, passando pela chamada “idade de ouro”, à produção atual, com sugestões de autores e títulos e dados da atual produção brasileira.

Serviço
A Arte de Criar Leitores
Escritora: Goimar Dantas
Editora: Senac
Preço médio: R$ 41,50

*

Livros: A mãe, sob o olhar da filha

A literatura retrata a vida e suas transformações, de inúmeras maneiras. Em casa, no âmbito privado, e também no aspecto social. A Mãe que Voava, de Caroline Carvalho e Inês da Fonseca, da Editora Aletria, e Mãe É Mãe, de Karin Krogh e Kátia Haipek, da Editora Bamboozinho, são um retrato disso.

Em A Mãe que Voava, a pequena Alice está acostumada a ficar com a mãe em casa e adora vê-la arrumando tudo. Para a menina, a mãe voa, de um lado para o outro, como os pássaros, como se tocasse o céu. Ela cuida das plantas, organiza as roupas, não deixa nada fora do lugar.

Um dia Alice acorda, chama a mãe, descobre que ela foi trabalhar e que, agora, ficará com o pai. O pai conta que a mãe foi ensinar seus alunos a ler e a escrever. Alice, então, fica imaginando um monte de crianças em volta de sua mãe.

O afastamento da mãe que volta ao trabalho depois de um tempo de dedicação exclusiva ao filho está no centro do livro e é mostrado com delicadeza e poesia. Aqui está o ponto de vista da criança, seus pensamentos e suas angústias. As ilustrações de Inês ajudam a contar a história e trazem ângulos inusitados dos personagens.

Outro jeito de ser mãe e mulher aparece em Mãe É Mãe. Aqui, quem conta a história é a filha, que já na primeira frase revela: “Minha mãe é diferente. Cheia de tatuagens”. O jeito de ser da mãe chama a atenção da menina: ela tem o cabelo curtinho, se veste de maneira exótica, pinta unhas de preto ou azul e adora sapatos coloridos.

A menina confessa que já sentiu vergonha da mãe (e quem nunca sentiu, não?), mas sente que o fato dela fugir de um padrão pré-estabelecido é justamente o que as fazem felizes.

Serviço
A Mãe que Voava
Escritora: Caroline Carvalho
Ilustradora: Inês da Fonseca
Editora: Aletria
Preço médio: R$ 20

Mãe É Mãe
Escritora: Karin Krogh
Ilustradora: Kátia Haipek
Editora: Bamboozinho
Preço médio: R$ 33,60 (disponível na loja virtual da editora)

*

Evento: Esquenta Primavera

Esquenta Primavera é o nome do evento que a Liga Brasileira de Editores (Libre) realiza entre os dias 7 e 9 de junho (desta sexta-feira ao domingo), das 10h às 20h, na Biblioteca Mário de Andrade, para festejar a bibliodiversidade. O conceito, criado por editoras latino-americanas, reflete a necessidade de termos diversidade de títulos e temas no mercado.

Cerca de 30 editoras pequenas e médias participarão do evento, entre elas as que formam o recém-criado Coletivo Alice (Amigo do Livro Infantil Coletivo de Editoras), que reúne independentes com foco no infantil: Edições Barbatana, Editora Passarinho, Gato Leitor, Jujuba, Livros da Matriz, Memória Visual, Olho de Vidro, ÔZé, Piu, Pólen, Projeto, Pulo do Gato, Quatro Cantos e Solisluna.

Além de livros com desconto, quem for ao Esquenta Primavera encontrará uma programação com debates, oficinas e saraus. Vou mediar a mesa A produção do livro para crianças – literatura, cultura e mercado, no domingo, às 10h, que terá Márcia Leite, da Pulo do Gato; Paulo Verano, da Edições Barbatana; e Zeco Montes, da ÔZé.

Quem for à Biblioteca Mário de Andrade pode aproveitar para ver a exposição Livros para Crianças, que abriu na terça-feira, com livros raros do século 17 ao começo do século 20.

A seguir, a programação completa:

SEXTA FEIRA, 7 DE JUNHO

10h – Local: Salão Oval
O profissional que o mercado procura: oportunidades no mercado editorial atual
Monique D’Orazio, Felipe Sali e Felipe Colbert
Mediação: Cassia Carrenho

11h30 – Local: Salão Oval
Sua história além das páginas: como pensar e produzir conteúdo em vários formatos
Mariana Rolier, Camila Cabete, Toni Brandão e Marcos DeBrito
Mediação: Camila Cabete

14h – Local: Auditório
Cineclube Cine&Manas
Filme: Eleições
Direção: Alice Riff

16h – Local: Salão Oval
Bibliotecas transformadoras: workshop sobre a metodologia do Programa Recode Bibliotecas, com Renata Costa

17h30 – Local: Salão Oval
Clube do livro pelo Clube do livro
Renata Nakano e Carol Delgado
Mediação: Renata Costa

19h30
Leitura dramática com Marina Tranjan
Livro: Querido Diego, o Abraça Quiela
Autora: Elena Poniatowskal

SÁBADO, 8 DE JUNHO

10h – Local: Salão Oval
Coletivos: Independentemente juntos
Daniela Padilha, Raquel Menezes e Cid Vale Ferreira
Mediação:Leonardo Neto

11h30 – Local: Salão Oval
Biblioteca Escolar: porta do aprendizado
Rafael Motta, Renata Costa e Cristine Fontenelles
Mediação: Volnei Canônica

14h – Local: Salão Oval
Esquenta Primavera convida Quatro Cinco Um e Tapera Taperá
Paulo Werneck e Antônio Freitas

14h – Local: Auditório
Cineclube Cine&Manas
Filme SLAM: Voz de Levante
Direção: Tatiana Lohman e Roberta Estrela D’Alva

16h – Local: Salão Oval
Sarau Cooperifa

17h30 – Local: Salão Oval
Escritores de cada signo, com Vitor Di Castro

19h30 – Local: Salão Oval
O poema ensina a cair
Roberta Ferraz, Natasha Felix e Estela Rosa

DOMINGO, 9 DE JUNHO

10h – Local: Salão Oval
A produção do livro para crianças – literatura, cultura e mercado
Márcia Leite, Paulo Verano e Zeco Montes
Mediação: Bia Reis

10h – Local: Sala Infantil
Descobrindo Nossos Tesouros: Da África para o Brasil, com grupo Dúdú Badé

11h – Local: Auditório
Espetáculo Pescadora de Ilusão, inspirado no livro A Mulher que Matou os Peixes (1968), de Clarice Lispector

11h30 – Local: Salão Oval
Como os cegos leem e escrevem o mundo
Marcos Lima e Sara Bentes
Mediação Guacyara Guerreiro

14h – Local: Auditório
Cineclube Cine&Manas
Filme: Corpo Manifesto
Diretor: Carol Araújo

16h – Local: Salão Oval
Sarau Guilhermina

17h30 – Local: Salão Oval
Quando uma ilustração conta uma história
Fernando Vilela e Stela Barbieri
Mediação: Veronica Lessa

19h30 – Local: Salão Oval
Como fazer ficção em uma realidade tão fictícia
Ricardo Lisias, João Anzanello Carrascoza e Paloma Franca Amorim
Mediação: Maria Fernanda Rodrigues

Tendências: