Falando de Música: Schumann por Mahler

Falando de Música: Schumann por Mahler

A Osesp apresenta nas próximas semanas as "Sinfonias" de Robert Schumann a partir da concepção de Gustav Mahler.

Estado da Arte

25 de abril de 2019 | 11h31


por Leandro Oliveira

O texto musical não é responsável pelo seu efeito. Essa é uma realidade mais ou menos óbvia para um músico mas, até certo ponto, misteriosa para o grande público. Mas o fato é que a partitura, por sua própria natureza, é um mapa aproximado – por vezes absolutamente impreciso – para expressar tanto o pensamento do compositor quanto a beleza da obra.

Ao longo da história da partitura, que afinal é uma tecnologia que evolui no tempo, diversos esforços de precisão são realizados. Por isso, uma partitura do princípio do século XIX encontra muito menos informações que aquelas do princípio do século XX. São sinalizações tímbricas, rítmicas e dinâmicas que começam a justapor-se ao texto, a fim de garantir alguma fidelidade à ideia original projetada no texto musical.

Neste sentido, todo intérprete transforma a partitura. Gustav Mahler, um dos grandes intérpretes da virada entre os séculos XIX e XX, se vale de toda sua experiência para fazer sua contribuição ao texto de Robert Schumann. O resultado é surpreendente. Como comenta David Pickett:

“As revisões de Mahler demonstram seu profundo conhecimento e empatia com o mundo sonoro de Schumann – e é beneficiado por seu domínio superior da orquestra. Observadas como uma realização da interpretação de Schumann por Mahler, é difícil encontrar algum erro ali. Mahler clareia e faz a música de Schumann mais facilmente realizável, faz as arcadas mais práticas, e intensifica grandemente a expressão por meio da suplementação dinâmica e instrumentação.” 

A Osesp apresenta, nas próximas duas semanas – dias 25, 26 e 27 de Abril e  nos dias 02, 03 e 04 de Maio -, a integral das Sinfonias de Robert Schumann a partir desta concepção de Gustav Mahler. Uma hora antes de cada espetáculo, às 19h30 na quinta e sexta-feira, 15h30 no sábado, no Salão Nobre da Sala São Paulo, apresento estas e algumas outras referências sobre o assunto, lido a partir do grande tema Interpretação e Fidelidade na Música Clássica. Entrada franca para quem tem ingresso.

Leandro Oliveira é compositor e regente de orquestra, doutorando em “Educação, Arte e História da Cultura” pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e anfitrião do projeto “Falando de Música” da Osesp.

Tendências: