Poesia em Casa – O maior tradutor da semana

Poesia em Casa – O maior tradutor da semana

Estado da Arte

23 Abril 2017 | 08h00

Por Pedro Gonzaga

Gosto de pensar que o tempo trai nossas intenções e feitos com mais frequência do que os possíveis desvios morais, do que os pequenos deslizes éticos que tenhamos cometido, em especial no que significa ser justo com alguém, porque boa parte das ingratidões, dos louros tomados à mão grande, se constrói pela distância dos anos, que nos facilita o papel de protagonistas de nossa própria (e quase sempre modesta) aventura. Assim diminuímos aos outros, emprestamo-lhes ações forjadas para nos permitir algum brilho, algum raciocínio capaz de fazer vingar a ideia de que vimos as coisas antes, senão antes, mais e melhor. Se vos serve de consolo, pecaminosos leitores, eu professo meus dolos à espera de remissão: diminuí professores que me desagradavam, desdenhei de meus contemporâneos de escrita em seus bons acertos, deixei o tempo filtrar com o seu quê de esquecimento seletivo e fantasia redentora os gestos de amor nos amores perdidos.

Por isso, me parece, somente a verdadeira amizade, copiosa em seu amor benigno, desconhece essa injustiça do tempo, porque são os amigos criaturas que já nos fazem melhores do que somos dentro do próprio tempo. Um amigo é para o outro, mesmo que não o seja, sempre um Sancho Pança. Como naquela leitura dos Evangelhos que aponta o amor de Judas por Cristo, um amor capaz de fazer o que era preciso para que o outro fosse o Messias.

Com bem menos drama, na última quarta-feira, o meu amigo de há décadas, editor aqui do Estado da Arte, Eduardo Wolf, me escreveu dizendo, tu precisa traduzir este poema do Brodsky do inglês, Pedrão. Vejam, ele poderia serenamente fazê-lo, mas estava a dizer, tu é um baita tradutor, e isso dentro do tempo, sem ter de me obrigar a um papel vaidoso ou, no mínimo, exagerado, equivocado e injusto. Como agradecimento, por ser nesta semana o maior tradutor nesta casa, eis o poema:

O poeta russo Joseph Brodsky

O poeta russo Joseph Brodsky

Sobre o amor

Acordei duas vezes nesta noite e perambulei

até a janela. E as luzes na rua abaixo,

como pontos pálidos e omissos, tentavam completar

os pedaços de uma frase falada em meio ao

sono, mas também foram engolidas pela escuridão.

Sonhei que você estava grávida, e apesar

de termos vivido tantos anos apartados

eu ainda sentia culpa e minha palma encorajada

acariciava sua barriga enquanto, ao lado da cama,

atabalhoadamente buscava por minhas calças e

pelo comutador de luz na parede. E com a lâmpada ligada

eu sabia que deixava você sozinha

ali, na escuridão, no sonho, onde, com calma,

você esperaria pelo meu retorno,

sem tentar me censurar ou repreender

pelo hiato antinatural. Porque

a escuridão recupera o que a luz não pode reparar.

Lá nós éramos casados, abençoados, mais uma vez nos

volvíamos nas feras reclinadas e as crianças eram a justa

desculpa para o fato de nossa nudez.

Em alguma noite futura você voltará a aparecer.

Chegará até mim, agora esgotada e magra, depois

das coisas entre as coisas, e verei um filho ou uma filha

ainda sem nome. Desta vez conterei

minha mão em sua busca pelo comutador, temeroso

e sentindo que não tenho nenhum direito

de deixar vocês como sombras por detrás daqueles

arames farpados dos dias que bloqueiam sua visão,

sem voz, renegados pela luz real

que me mantém para sempre inalcançável.

 Pedro Gonzaga é poeta, tradutor, músico e professor. Doutor em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, é autor de A Última Temporada e Falso Começo (Editora Ar do Tempo). Acaba de lançar O Livro das Coisas Verdadeiras (Arquipélago Editorial), sua estreia na crônica.