Podcast – A Confissão de Augsburgo

Podcast – A Confissão de Augsburgo

Entrevista com Alderi Souza de Matos, Lauri Wirth e Silas Luiza de Souza - Rádio Estado da Arte.

Estado da Arte

13 Junho 2018 | 09h55

Na virada do século XV para o XVI, enquanto a Europa expulsava os muçulmanos e descobria um Novo Mundo, estava claro que a cristandade medieval datada dos tempos carolíngios estava se despedaçando, e com ela a esperança em uma única res publica cristã. Johann Geller, um dos últimos grandes pregadores da Idade Média, previu a dissolução em seu derradeiro sermão ante o Imperador Maximiliano: “Uma vez que nem o Papa nem o Imperador, nem os reis nem os bispos reformarão a nossa vida, Deus enviará um homem para este propósito.”

Se o luteranismo, e por extensão a Reforma, nasce em 1517 com Lutero, segundo a tradição, martelando suas 95 Teses contra as indulgências na porta da Igreja de Todos os Santos de Wittenberg, só em 1555 ele será legitimado, com a ratificação, por uma Dieta do Sacro Império Romano Germânico em Augsburgo, do princípio Cuius regio, eius religio – a cada reino, sua religião. Não à toa na mesma cidade veio à luz entre um e outro evento a primeira confissão de fé protestante. Redigida por Melanchthon sob os conselhos de Lutero, foi negociada entre os Príncipes Eleitores alemães e proclamada ao Imperador em 1530, sendo posteriormente ratificada pelos fundadores das congregações anglicana e calvinista. Invocando os salmos, sua orgulhosa epígrafe anuncia: “Eu falarei de teus testemunhos, Senhor, também ante os reis, e não me envergonharei”. Sintética e sistematicamente ela expõe em duas partes as ideias que haviam sido elaboradas nos grandes tratados da Reforma: nos primeiros 21 artigos afirma seu compromisso com o credo ortodoxo e nos últimos 7, em nome desse credo, acusa os abusos papistas corrigidos pelos evangélicos luteranos.

O que ela diz sobre Deus, sua Criação e o pecado do Homem? O que afirma sobre Jesus Cristo, sua salvação, sua Igreja, seus sacramentos e o seu retorno no fim do mundo? Como os católicos reagiram a ela? Em que difere das outras confissões protestantes? E como pode, hoje, esclarecer os cristãos sobre sua fé e uni-los no serviço ao seu único Senhor?

Ouça:
Convidados

Alderi Souza de Matos: professor de Teologia e História da Igreja do Instituto Presbiteriano Mackenzie.

Lauri Wirth: professor de História do Protestantismo no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Metodista de São Paulo.

Silas Luiz de Souza: professor de História do Cristianismo e coordenador do Núcleo Multidisciplinar de Estudos do Protestantismo da Universidade Mackenzie.

http://oestadodaarte.com.br/a-confissao-de-augsburgo/

 

 

 

 

Mais conteúdo sobre:

A Confissão de Augsburgo