Podcast – A Cavalaria Medieval

Podcast – A Cavalaria Medieval

Entrevista com Marcelo Cândido, Lênia Márcia Mongelli e Néri de Barros Almeida.

Estado da Arte

29 de agosto de 2018 | 10h15

Ouça:

Você já admirou a cortesia de um cavalheiro ou a nobreza de uma dama? já se emocionou com um romance pessoal ou ficcional? se dirige às pessoas como “senhor” e “senhora”? Se sim, então você é tributário da cavalaria medieval. De certos ângulos, a história da Humanidade parece pouco mais que a história da guerra. E entre nossos arquétipos de soldados de elite – dos míticos troianos aos seus herdeiros, os hoplitas espartanos e os centuriões romanos, passando por vikings, samurais, até os modernos g.i. joes – o mais poderoso e encantador é o cavaleiro cristão. À época de seu florescimento, o império carolíngio se despedaçava precipitando a Europa no “estado da natureza” de que falava Hobbes, a guerra de todos contra todos, e foi preciso criar um código de conduta para os combates entre irmãos na fé e no sangue. As cruzadas lhes deram uma unidade de propósito, e as Ordens de Cavalaria consagradas pelo papado os libertaram do emaranhado de lealdades feudais para revelar suas virtudes mais elevadas, mas também sua mais brutal ambição. O ideal do soldado asceta foi sacramentado pelos menestréis nas canções de gesta. Porém logo a lira dos trovadores provençais, ironicamente influenciada pelos árabes, celebraria um culto exótico, não originalmente latino, nem germânico e nem de todo cristão: o amor cortês. Mística e erotismo, proeza e prazer, generosidade e orgulho se entrelaçavam inextricavelmente no coração do cavaleiro dilacerado entre a devoção à sua dama e ao seu Deus, à Nossa Senhora e ao seu senhor – tema de mil baladas e novelas. Na Renascença, enquanto a pólvora relegava a espada à estratosfera simbólica, o “Cavaleiro da Triste Figura” de Cervantes desferiu a mais letal humilhação à honra da cavalaria. O código cavalheiresco sobreviveria ainda no ideário do Antigo Regime. Mas ante a decapitação de Maria Antonieta, Edmund Burke suspirou: “a era do cavalheirismo se foi; a dos sofistas, economistas e calculadores venceu”; porém assim como os renascentistas retornaram à Antiguidade, a geração seguinte retornaria à Idade Média, plasmando uma nova mitologia poética: o romantismo. Em pleno avanço da era burguesa, o medievalista Léon Gautier diria com um triunfalismo quase quixotesco: “Há uma escola . . . que pretende que o bem-estar é o único fim que uma humanidade ‘regenerada’ deve perseguir . . . Estes sofistas se enganam grosseiramente . . . É o cavalheirismo que salva as nações e que é o seu aroma. E a Cavalaria é o desdém por todos os pequenos confortos de uma vida amolecida e sem nervos; é o desprezo do sofrimento; é pôr em prática o antigo: Esto vir – seja homem!”

Ouça:

Com: 

Marcelo Cândido: professor de história medieval na Universidade de São Paulo e autor de A Realeza Cristã na Alta Idade Média. 

Lênia Márcia Mongelli: professora de literatura medieval na Universidade de São Paulo e autora de Palmerim de Inglaterra.

Néri de Barros Almeida: professora de história medieval da Universidade de Campinas e coordenadora do núcleo UniCamp do Laboratório de Estudos Medievais.

Tendências: