Lava Jato em Passo Fundo

Lava Jato em Passo Fundo

Estado da Arte

20 Abril 2017 | 10h29

Por Tiago Pavinatto

Há 160 anos, o farmacêutico suíço Jean Neuhaus instalou-se em Bruxelas e abriu seu negócio na prestigiada Galerie de la Reine. Neuhaus oferecia a seus clientes refinados artigos de confeitaria combinando dois produtos de uma maneira nunca antes pensada na história daquele mundo às vésperas da Belle Époque: escondia a amargura dos remédios envolvendo-os em uma camada de delicioso chocolate… e a paixão pelo chocolate absorvia-o mais e mais, tendo sido transmitida aos seus descendentes que acabaram por transformar o sobrenome na marca do ainda melhor chocolate do mundo e também da Bélgica.

Naquele mesmo ano de 1857, no Estado brasileiro do Rio Grande do Sul, era fundado o Município de Passo Fundo.

Ora, direis que ouvimos estrelas e, certo, perdemos o senso. Mas vos diremos, no entanto, tratar-se de uma inacreditável coincidência o fato de estarmos além-mar a comprar caixas do tradicional praline belga e recebermos “vazamento” com a degravação da interceptação telefônica de Salomé Maria da Anunciação, a mais célebre cidadã de Passo Fundo, que, desde os anos finais do Regime Militar, sentada à frente de seu telefone, tem enorme influência na República (no que apenas fica atrás de José Ribamar, o de vida eterna).

Salomé Maria da Anunciação, a idosa gaúcha criada por Chico Anysio, que fazia exigências e reclamações ao presidente Figueiredo pelo telefone.

Salomé Maria da Anunciação, a idosa gaúcha, criada por Chico Anysio, que fazia exigências e reclamações ao presidente Figueiredo pelo telefone.

Assim, em primeira mão, divulgamos, sem cortes, o conteúdo do grampo da ligação de Salomé para Luís Roberto, cujo sobrenome não foi mencionado.

Salomé: Alô, Luís Roberto, é Salomé de Passo Fundo.

Luís Roberto: Po… (é prontamente interrompido).

Salomé: Não fales nada, Luís Roberto. Tu falas demais. Quem vai falar, aqui, sou eu. E não reclames, porque tenho idade pra ser a tua bisavó. Não fales, porque eu ainda desconfio que tenha uma escuta no meu fixo, Luís Roberto, e estou certa que foi um certo mouro que fez essa barbaridade.

Luís Roberto: Mou… (é cortado mais uma vez).

Salomé: Mouro, sim, Luís Roberto. Esqueceste que sou professora? Aposentada, mas ainda professora. Mouro é um “homem que trabalha muito”, veja lá naquele dicionário moderno do Afonso Telles Alves… está lá. Não se trata de intolerância religiosa. Barbaridade pensares isso, Luís Roberto!

Agora, é engraçado, Luís Roberto, que eu não possa nem me manifestar publicamente contra esse mouro. Nem eu e nem ninguém. Vão logo dizer de minha proximidade com o João Baptista… como se eu fosse uma entusiasta da repressão! Logo eu, Luís Roberto! Barbaridade! Logo eu que fiz a cabeça do João Baptista; que abri a cabeça dele pra abertura… e ele até me prometeu que prendia e arrebentava quem fosse contra.

De um lado, Luís Roberto, uma piazada iria me chamar de golpista. Do outro, iriam me chamar de petista – Deus me livre e guarde! – … e a piazada desta hipótese, vejas que barbaridade, Luís Roberto, declara voto num tal de Jair, que não perde a oportunidade de homenagear o pessoal do João Baptista.

Eu não sou o Ney Matogrosso e nunca vi rastro de cobra, nem couro de lobisomem. Mas a situação é esta: se correr, o bicho pega e, se ficar, o bicho come. Barbaridade, tchê!

E tu tens culpa nisso tudo, Luís Roberto. Tu ficas dando corda pra esse mouro. Tu ages igual a ele. Que história é essa de tomar decisão moralizadora e contra a Constituição, Luís Roberto? Que barbaridade!

Eu li na revista, Luís Roberto. Tu disseste que a decisão do financiamento eleitoral privado “foi uma decisão moralizadora”. Reconheceste que a proibição deveria partir do Congresso, mas vieste falar de moral?

Tu queres moralizar o país e colocar cigarrinho do capeta na boca da piazada, Luís Roberto?

Tu pareces até aquela cadeiruda que canta que, se levantar a garrafa, o tesourinho dela pisca e ela tira a calcinha – e chamar aquilo de canto… e ela nem usa o termo “tesourinho”, usa o vocábulo mais vulgar do idioma vernáculo pra se referir à vulva – e que apareceu na mesma revista, só que em outra matéria, falando de assédio sexual. Barbaridade, tchê!

Aliás, tu disseste num jornal que fizeste a escolha de diminuir o poder do tráfico. Não pode, Luís Roberto. Tu não tens essa escolha. Tu não podes continuar com essa mania de ficar desrespeitando o Direito. Tu não tens esse direito. Colocaram-te onde tu estás porque pensaram – se é que aquela senhora que não mais está era capaz de formular pensamento lógico, qualquer que fosse – que tu possuías notório saber jurídico e não notório saber moral…

Luís Roberto: Ma… (mais uma vez, é interrompido)

Salomé: Sei que a moral faz intersecções com o Direito, Luís Roberto. Mas ela não é o Direito, e ele não pode ser um mínimo moral declarado obrigatório. Tu sabes bem que pode ser que exista lei contrária à moral. Vejas o caso do casamento entre pessoas do mesmo sexo em países de maioria homofóbica e as hipóteses de aborto legal mesmo frente a uma população contrária a ele. E eu falo de lei, Luís Roberto. Falo de obra do Poder Legislativo. E não de atropelo ao princípio da divisão de poderes que tu tens incentivado, Luís Roberto. Tu não és o legislador pra estabelecer o tempo do surgimento da vida intrauterina.

E não queiras, Luís Roberto, ser um déspota esclarecido. Isso é uma barbaridade. Tens que respeitar a Constituição e as decisões dos representantes do povo quando não inconstitucionais. Tens que respeitar essa liberdade, mesmo que a julgues mal.

Santo Agostinho – e eu estou com o livrinho aqui pra te ler um trecho – diria que, “sem negar que Deus prevê todos os acontecimentos futuros, entretanto nós queremos livremente aquilo que queremos. Porque, se o objeto da presciência divina é a nossa vontade, é essa mesma vontade assim prevista que se realizará. Haverá, pois, um ato de vontade livre com antecedência. E por outro lado, não seria ato de nossa vontade, se ele não devesse estar em nosso poder. Portanto, Deus também previu esse poder.”

Não tires esse poder dos outros, Luís Roberto. Ninguém se lembra com carinho nem de Torquemada e nem de Savonarola.

Se tu queres tomar uma decisão moralizadora, Luís Roberto, decida-te por dizer ao teu amigo José Eduardo que é imoral ser um servidor público municipal e prestar assessoria pra empresa privada de educação. Eu li na mesma revista, Luís Roberto.

Luís Roberto: Sal… (Salomé se sobrepõe)

Salomé: Barbaridade, tchê! Eu faço a tua cabeça ou não me chamo Salomé.

Fim da ligação.

Tiago Pavinatto é advogado, graduado, pós-graduado, mestre e doutorando pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo do Largo São Francisco.

Mais conteúdo sobre:

Lava Jato.